Pesquisa medirá nível de propagação do coronavírus no Brasil

Com o resultado do estudo será possível criar políticas públicas mais eficientes sobre o comportamento do coronavírus no Brasil

ESTUDO
Pesquisa medirá nível de propagação do coronavírus no Brasil

De acordo com o órgão, com o resultado do estudo será possível criar políticas públicas mais eficientes - Foto: Martin Lopez/Pexels

Da Agência Brasil

O Centro de Epidemiologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) medirá o nível de imunização da população brasileira ao coronavírus, para identificar de que forma o vírus está se propagando pelo país. A pesquisa tem o apoio do Ministério da Saúde, que disponibilizará testes rápidos de coronavírus para a instituição, além de apoio para contratação de uma empresa de pesquisa que fará as entrevistas.

De acordo com o órgão, com o resultado do estudo será possível criar políticas públicas mais eficientes e baseadas em critérios científicos sobre o comportamento do coronavírus no território brasileiro.

Cerca de 33 mil pessoas de 133 municípios brasileiros serão submetidas ao teste rapido que detecta a presença de anticorpos IgM (de infeccao mais recente) e IgC (de infeccao mais antiga) a partir de amostras de sangue coletadas. De acordo com o ministério, o trabalho deve esclarecer três questões sobre o vírus no Brasil: o número de infectados, a velocidade com que o vírus tem se espalhado e a taxa de letalidade da covid-19 na região.

Ontem (14), o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, explicou que o objetivo da pesquisa é estabelecer agora um marco zero da presença de anticorpos e, com outros estudos mais à frente, saber com que velocidade a população está alcançando a imunidade. “Para que a gente tenha confiança de saber que a nossa população esta andando no ritmo de autovacinação. Tem muita gente assintomática que ganha anticorpos, tem muita gente com forma leve, temos as formas intensas, graves e críticas. É o somatório disso que vai nos dar imunidade”, disse.

Projeto piloto

O projeto piloto teve início no dia 6 de abril, no Rio Grande do Sul. Os pesquisadores dividiram o território gaúcho em oito regiões intermediárias definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): Porto Alegre e Região Metropolitana, Pelotas, Santa Maria, Uruguaiana, Ijuí, Passo Fundo, Caxias e Santa Cruz do Sul/Lajeado.

Já começaram a ser entrevistadas 18 mil pessoas, que farão o teste rápido para o coronavírus. Em cada municipio, a pesquisa sorteara aleatoriamente 25 setores para coleta de dados. Em seguida, sorteara dez residencias em cada setor e um morador de cada casa, totalizando 250 pessoas por municipio.

Enquanto aguardam pelo resultado, os entrevistados também responderão a um questionario sociodemografico e indicarão se estão sentindo sintomas característicos da covid-19. Além disso, todos os participantes receberão orientações sobre assistencia medica e isolamento social.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.