CORONAVÍRUS

Ministro da Saúde recua sobre flexibilização do isolamento social

Ministro da Saúde, Nelson Teich, disse que não dá para liberar população no momento em que o país tem "uma curva em franca ascendência" da covid-19

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 01/05/2020 às 9:00
Agência Brasil
FOTO: Agência Brasil
Leitura:

O ministro da Saúde, Nelson Teich, disse, nesta quinta-feira (31), que ainda é cedo para iniciar a liberação do isolamento social justamente agora que o Brasil apresenta acentuado número mortes provocadas pelo coronavírus. O país confirmou, nesta quinta, 85 mil casos de pessoas contaminadas e 5.901 mortes causadas pela covid-19.

“Ninguém vai chegar aqui com uma coisa milagrosa. Não dá para você começar uma liberação quando você tem uma curva em franca ascendência. E mesmo quando a gente discute o número de municípios que não têm a doença, por exemplo, mais importante do que número de municípios é o número de vidas. Neste momento, ninguém está pensando em flexibilizar nada”, apontou o ministro da Saúde.

Há uma semana, o ministro da Saúde tinha prometido apresentar diretrizes prontas para orientação de prefeitos e governadores para que eles decidam sobre a manutenção do distanciamento social.

Presidente desmerece importância do isolamento

Também nesta quinta, o presidente manteve seu tom contrário ao isolamento social. Ele voltou criticar a adoção dessas medidas e avaliou que elas não fizeram efeito na contenção da curva de contaminação.

"Eu já disse, 70% da população vai ser infectada [pelo novo coronavírus]. Pelo que parece, pelo que estamos vendo agora, todo o empenho para achatar a curva praticamente foi inútil. Agora, efeito colateral disso: desemprego. O povo quer voltar a trabalhar. Todo mundo sabe que, quanto mais jovem, menos problemas tem de ter uma consequência danosa em sendo infectado pelo vírus", afirmou Bolsonaro durante sua live semanal, transmitida pelo Facebook.

Mais Lidas