ISOLAMENTO SOCIAL

Praias, parques e comércio em PE seguem fechados até 15 de maio

Fechamento de praias inclui calçadões; novo decreto do governo prorrogou ainda que as escolas fiquem fechadas até o fim do mês

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 01/05/2020 às 9:53
Aluisio Moreira/SEI/Divulgação
FOTO: Aluisio Moreira/SEI/Divulgação
Leitura:

O governo do estado prolongou fechamento de parques públicos, praias, além dos calçadões, comércio e serviços até o dia 15 de maio. As universidades e demais estabelecimentos de ensino, público ou privado, em todo o Estado de Pernambuco, ficam fechados até 31 de maio de 2020. O novo decreto foi publicado nesta quinta-feira (30).

Podem funcionar

As lojas de material de informática vão abrir as portas durante a validade do decreto restritas a entrega em domicílio ou ponto de coleta. As assistências técnicas de eletrodomésticos e de equipamentos de informática também estão liberadas.

Outros estabelecimentos têm autorização para funcionar, de acordo com as normas sanitárias em vigor. Estão na lista os supermercados, padarias, mercados, postos de gasolina, lojas de conveniência, agências bancárias, casas lotéricas, casas de ração animal, depósitos de água mineral e gás e lojas de tecidos e aviamentos.

Quarentena na ilha

Já a quarentena no Arquipélago de Fernando de Noronha foi prorrogada até o dia 10 de maio. As aulas presenciais nas escolas, universidades e outros estabelecimentos de ensino seguem suspensas até 31 de maio.

O governador Paulo Câmara reconhece os transtornos, porém as medidas restritivas são o melhor caminho. “A sobrecarga nas unidades de saúde é um risco que ameaça a vida se o isolamento social não funcionar como deve. Por isso estou prorrogando o decreto com medidas restritivas. Toda ação tem consequências e o isolamento social, por mais um tempo, também traz perdas, mas diminui as perdas irrecuperáveis, que são as vidas humanas”, comentou o governador. “Todos devem entender essa mensagem e fazer a sua parte (...) Quem está na contramão está contra a vida, não existe outra forma de dizer”, concluiu.

Mais Lidas