Mãe de Miguel está na lista de funcionários da prefeitura de Tamandaré. Ela trabalhava na casa do prefeito

Mirtes Renata Santana de Souza consta como funcionária da prefeitura de Tamandaré no cadastro da Relação Anual de Informações Sociais

CASO MIGUEL
Mãe de Miguel está na lista de funcionários da prefeitura de Tamandaré. Ela trabalhava na casa do prefeito

Palácio José Hildo Hacker, sede do Executivo Municipal - Foto: Reprodução/Prefeitura de Tamandaré

Rádio Jornal | Com informações do JC online

Mirtes Renata Santana de Souza, mãe do garoto Miguel Otávio Santana da Silva, 5 anos, que morreu ao cair do nono andar de um prédio, no Centro do Recife, apesar de trabalhar como empregada doméstica num prédio de luxo na capital, consta como funcionária da Prefeitura Municipal de Tamandaré. A informação foi divulgada pela jornalista Ciara Carvalho, uma das editoras-executivas do Jornal do Commercio. Esse dado está registrado no cadastro da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), órgão ligado ao Ministério da Economia, em que aparece como data de admissão da funcionária o dia 1º de fevereiro de 2017. Não há registro de data de desligamento. 

Leia também: Prefeitura de Tamandaré diz que Sergio Hacker está "profundamente abalado" e que prestará esclarecimentos sobre o caso Miguel

>> Essa criança jamais poderia estar sozinha dentro do elevador, diz especialista sobre Miguel

>> Meu coração está sangrando pela perda do amor da minha vida, diz mãe de criança que morreu ao cair de prédio no Recife

>> Caso Miguel: Gajop pede ao Ministério Público acesso ao inquérito

Mirtes Renata trabalhava como empregada no apartamento do prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB). A esposa do gestor, Sari Corte Real, foi presa em flagrante e liberada, após pagamento de fiança no valor de R$20 mil, por ter deixado Miguel sozinho dentro do elevador do prédio. Ao sair do equipamento, a criança, procurando pela mãe, acessou o vão dos condensadores de ar-condicionado, subiu no guarda-peito e caiu de uma altura de 35 metros.

Caso Miguel

O fato aconteceu na tarde da última terça-feira (2), quando Mirtes deixou o filho sob a responsabilidade da patroa e desceu para passear na rua com o cachorro da família. Ao voltar para o prédio, ela se deparou com o filho praticamente morto. Miguel ainda foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos provocados pela queda.

A reportagem tentou falar com a Prefeitura de Tamandaré, com o prefeito Sérgio Hacker e com a chefia de gabinete do gestor do município, mas não conseguiu contato com nenhum deles. O JC também procurou Mirtes Renata para saber se ela tinha ciência de que seu nome consta como funcionária da prefeitura, mas ela não pôde atender a ligação.

Morte

Segundo o perito André Amaral, as imagens do circuito interno de segurança mostram que a criança saiu do quinto andar, entrou no elevador sozinho e subiu até o nono andar. Lá, ele teve acesso ao hall de serviço onde fica o condensador de ar condicionado. Ainda segundo o perito, o menino teria escalado o guarda peito de metal e caiu de uma altura de 35 metros. “Tinha marca de sandália e caracteriza de 1,20 m que é a altura da vítima”, disse. “A área de acesso lá [no 9º andar], a janela estava aberta, não tinha nenhuma proteção, qualquer pessoa tem acesso, mas não era uma coisa comum ter um acesso a uma criança naquele trecho (...) Verificamos que se trata de uma natureza acidental”, completou.

Testemunhas relataram que o menino estava procurando a mãe. “O pessoal fala que ele estava chamando a mãe”, contou. Segundo a mãe de Miguel, o acidente foi muito rápido e aconteceu no momento em que ela havia decido o prédio para passear o cachorro dos patrões. A mulher também afirmou que tinha deixado o filho no apartamento com a dona da casa e uma manicure.

O corpo da vítima foi liberado do Instituto de Medicina Legal (IML) na manhã desta quarta-feira (3) e o sepultamento aconteceu nesta tarde no cemitério de Bonança, distrito de Moreno.

*O nome da suspeita não foi divulgado pela Polícia Civil em cumprimento da Lei de Abuso de Autoridade nº 13.869/2019, que, entre outros pontos, proíbe a divulgação de imagens e nomes por parte dos policiais e servidores públicos membros dos Poderes Legislativo, Executivo, Judiciário e do Ministério Público. A pena é de até quatro anos de prisão, caso a autoridade descumpra a legislação.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.