Caso Miguel: patroa presta depoimento sobre a morte do menino no Recife

A empresária chegou a delegacia por volta das 5h55 acompanhada do marido Sérgio Hacker, prefeito de Tamandaré

INQUéRITO
Caso Miguel: patroa presta depoimento sobre a morte do menino no Recife

Mírtes Renata aguarda a saída da ex-patroa em frente a Delegacia de Santo Amaro - Foto: Wellington Lima/JC Imagem

A empresária Sarí Corte Real presta depoimento na Delegacia de Santo Amaro nesta segunda-feira (29). Ela foi autuada em flagrante por homicídio culposo pela morte de Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que caiu do 9º andar do Condomínio Píer Maurício de Nassau, na área central do Recife, no dia 02 de junho. Sarí é ex-patroa de Mírtes Renata, mãe da criança. 

>> Meu coração está sangrando pela perda do amor da minha vida, diz mãe de criança que morreu ao cair de prédio no Recife

>> Em resposta à carta de patroa, mãe de Miguel diz que é "desumano" cobrar perdão neste momento

>> Caso Miguel: veja carta divulgada por Sarí Gaspar para mãe da criança

>> "Estou precisando parar, respirar. Estou cansada" diz mãe de Miguel, menino que caiu de prédio no Recife

Sem explicação, a delegacia abriu fora do horário de expediente, que começa às 8h. Sarí chegou ao local por volta das 5h55 acompanhada do marido Sérgio Hacker, prefeito de Tamandaré, de um motorista e mais um advogado. Logo em seguida, chegaram mais dois advogados, que subiram para a sala do delegado Ramon Teixeira, que havia chegado às 5h40.

A duração do depoimento ainda é desconhecida, mas essa era a última parte que faltava para a conclusão do inquérito, que será remetido ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE). O laudo das perícias realizadas no prédio foram entregues na última sexta-feira (26) à noite. Com isso, o delegado está finalizando o inquérito e dependendo do depoimento da Sarí, tudo poderá ser finalizado e concluído.

Até o momento, sete pessoas foram ouvidas na investigação, são eles: Mírtes Renata, mãe do menino Miguel; o zelador do prédio; um ex-síndico do prédio; o gerente de operações técnicas do prédio; a manicure que estava na casa de Sarí na hora do acidente; e um morador que ajudou a socorrer a criança.

>> Revoltados com a morte de Miguel, artistas do Brasil se manifestam nas redes sociais

Relembre o caso

Miguel tinha apenas 5 anos e, segundo a polícia, sua morte foi causada após negligência da patroa de sua mãe
Miguel tinha apenas 5 anos e, segundo a polícia, sua morte foi causada após negligência da patroa de sua mãe
Reprodução/ Redes Sociais

No dia 2 de junho, uma terça-feira, Mirtes Renata, que trabalhava como empregada doméstica na casa de Sarí Corte Real, deixou seu filho, Miguel Otávio, de 5 anos, sob a responsabilidade da patroa e desceu para passear com o cachorro da família. No entanto, após negligência da empregadora, a criança caiu de uma altura de 35 metros. O menino estava procurando pela mãe no momento do crime. 

>> Essa criança jamais poderia estar sozinha dentro do elevador, diz especialista sobre Miguel

Segundo o perito André Amaral, as imagens do circuito interno de segurança mostram que a criança saiu do quinto andar, entrou no elevador sozinho e subiu até o nono andar. Lá, ele teve acesso ao hall de serviço onde fica o condensador de ar condicionado. Ainda segundo o perito, o menino teria escalado o guarda peito de metal e caiu de uma altura de 35 metros. “Tinha marca de sandália e caracteriza de 1,20 m que é a altura da vítima”, disse. “A área de acesso lá [no 9º andar], a janela estava aberta, não tinha nenhuma proteção, qualquer pessoa tem acesso, mas não era uma coisa comum ter um acesso a uma criança naquele trecho (...) Verificamos que se trata de uma natureza acidental”, completou.

Testemunhas relataram que o menino estava procurando a mãe. “O pessoal fala que ele estava chamando a mãe”, contou. Segundo a mãe de Miguel, o acidente foi muito rápido e aconteceu no momento em que ela havia decido o prédio para passear o cachorro dos patrões. A mulher também afirmou que tinha deixado o filho no apartamento com a dona da casa e uma manicure.

Mirtes contou ainda que Sarí estava fazendo as unhas com uma manicure no momento em que Miguel caiu. Sarí Corte Real é esposa do prefeito de Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco, Sérgio Hacker. Ela foi presa em flagrante por homicídio culposo e liberada, após pagamento de fiança no valor de R$20 mil. 

De acordo com a polícia, as imagens das câmeras de segurança foram a principal prova da "negligência" da mulher, como a polícia definiu. As investigações do caso estão com o delegado Ramón Teixeira, titular da Delegacia Seccional de Santo Amaro.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.