Posse

Com aglomeração de apoiadores, Junior Matuto volta à Prefeitura de Paulista


Em coletiva de imprensa, ele disse ser inocente das acusações da Justiça que o afastou da Prefeitura de Paulista em julho

Carol Coimbra
Carol Coimbra
Publicado em 10/08/2020 às 10:48
Jailton Júnior/Jc Imagem
FOTO: Jailton Júnior/Jc Imagem
Leitura:

Junior Matuto tomou posse do cargo de prefeito de Paulista, na Região Metropolitana do Recife, na manhã desta segunda-feira (10). A cerimônia aconteceu na sede da prefeitura da cidade. Ele estava afastado desde o último dia 21 de julho após ser alvo de duas investigações.

Muitos correligionários e apoiadores aguardavam por Matuto em frente à prefeitura sem respeitar o distanciamento social. Muitos deles estavam sem máscaras. A cerimônia teve muita aglomeração.

A transmissão da posse foi rápida e, em seguida, o prefeito recebeu a imprensa. Ele negou todas as acusações e disse que vai “provar a verdade”. Matuto contou ainda que nesse período de afastamento do cargo, se isolou em um sítio, e também fez uma viagem a Brasília porque segundo ele, queria sentir a “temperatura” da política. Ao retornar aguardou as instruções dos advogados, que conseguiram que ele fosse reiterado ao cargo

Relembre o caso

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), expediu uma medida cautelar que determinou o afastamento do atual prefeito da cidade, Junior Matuto (PSB). O pedido aconteceu devido a um inquérito policial em tramitação no 2º Grau da Justiça estadual, onde um dos investigados é Júnior Matuto. O tempo do afastamento, era inicialmente, foi de 170 dias.

Matuto é alvo de duas operações, chamadas de “Chorume” e “Locatário”. Ambas foram deflagradas na terça-feira, 21 de julho, pela Polícia Civil de Pernambuco.

A Locatário é uma operação abrangente que investiga os crimes de peculato, dispensas indevida de licitação, uso de documento falso, associação criminosa e lavagem de dinheiro. Ela envolve empresários e agentes público

.Já a operação denominada “Chorume” investiga empresários e agentes públicos por supostos crimes de fraude em licitação, peculato e organização criminosa. Nessa operação, foram cumpridos dez mandados de busca e apreensão, um de suspensão do exercício de função pública e outro de suspensão temporária de participação em processos licitatórios nas cidades do Recife, Paulista e Caruaru.

Ouça a reportagem de Mônica Ermínio:


Mais Lidas