Familiares pedem afastamento de PM que matou adolescente em Jaboatão

Familiares e amigos do adolescente Johnny Lucindo Ferreira, de 17 anos, realizaram um protesto cobrando justiça nesta quinta-feira (13)

VIOLêNCIA POLICIAL
Familiares pedem afastamento de PM que matou adolescente em Jaboatão

O adolescente Jhonny Lucindo Ferreira, de 17 anos, foi morto com um tiro na cabeça durante uma abordagem policial. - Foto: Cortesia

Motivados pela morte do adolescente Johnny Lucindo Ferreira, assassinado com um tiro na cabeça por um policial militar, no dia 4 de agosto em Jaboatão dos Guararapes, familiares e amigos da vítima exigem o afastamento do suspeito da morte do jovem da corporação. Nesta quinta-feira (13), um protesto está sendo realizado no centro do Recife e o intuito era falar com o governador Paulo Câmara. A família chegou a ser recebida pela Corregedoria da Polícia Militar, que informou que o caso está sendo investigado.

 O pai de Johnny, Seu Santinho, afirmou que a família ainda busca por respostas sobre o caso, e quer justiça. “A gente ainda confia na justiça e quer ver se o governo e a corregedoria dão alguma resposta pelo ato que aconteceu (...) Estamos querendo uma resposta deles porque o policial ainda está em serviço ainda”, explicou.

 “Ele não é mais suspeito, ele foi o autor do crime. A gente quer resposta, a passeata é em favor de justiça pelo ato que aconteceu com Johnny”, completou.

 De acordo com informações de moradores do local onde ocorreu o crime, as câmeras de segurança que teriam filmado o ato foram retiradas.

 Relembre o caso

O adolescente Jhonny Lucindo Ferreira, de 17 anos, foi morto com um tiro na cabeça durante uma abordagem policial, no dia 4 de agosto. O garoto estava de moto com um amigo após sair da oficina do avô, onde trabalhava como soldador, quando os dois foram abordados por policiais militares na Rua 7 de setembro, em Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes.

Por meio de nota, a Polícia Militar de Pernambuco disse os policiais do 6º Batalhão da Polícia Militar teriam recebido informações sobre uma dupla em uma motocicleta que estaria praticando assaltos na região e que ao ver as vítimas em “atitude suspeita, os policias deram ordem de parada, que não foi obedecida”. Ainda de acordo com a nota, a motocicleta parou mais adiante, “um deles correu e o outro colocou a mão na cintura, dando a entender que estaria armado. Nesse momento, o policial atirou”.

 Entretanto, a versão é contestada por uma testemunha, que não quis se identificar. Ela contou que em momento algum foi pedido para que os jovens parassem e que os policiais já chegaram atirando.

Ouça a reportagem de Juliana Oliveira:

 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.