AstraZeneca anuncia retomada de testes de vacina contra covid-19

A vacina desenvolvida pela AstraZeneca, em parceira com a Universidade de Oxford, é tida pelo governo brasileiro como uma das principais apostas para a imunização contra o covid-19 no país.

COMBATE AO CORONAVíRUS
AstraZeneca anuncia retomada de testes de vacina contra covid-19

A medida foi confirmada pela Autoridade Sanitária do Reino Unido - Foto: Andréa Rêgo Barro/PCR

Agência Brasil

Os testes clínicos britânicos para a candidata a vacina contra o novo coronavírus da AstraZeneca e da Universidade de Oxford foram retomados após a confirmação Autoridade Sanitária do Reino Unido (MHRA) de que era seguro fazê-lo, disse a empresa neste sábado (12).

 

A farmacêutica britânica anunciou no começo da semana a suspensão dos testes globais de candidata a vacina contra covid-19 da empresa, após de surgir uma doença em um participante dos estudos no Reino Unido. O Brasil é um dos países do mundo que participa do estudo global.

"O processo de revisão padrão desencadeou uma pausa voluntária na vacinação em todos os testes globais para permitir a revisão dos dados de segurança por comitês independentes e reguladores internacionais", disse a AstraZeneca.

"O comitê britânico concluiu suas investigações e recomendou ao MHRA que os ensaios no Reino Unido podem ser retomados com segurança."

A empresa disse que não poderia divulgar mais informações médicas.

"Todos os investigadores e participantes do estudo serão atualizados com as informações relevantes e isso será divulgado em registros clínicos globais, de acordo com o estudo clínico e padrões regulatórios."

 

>> Covid-19: Reabertura pode retroceder se números voltarem a subir, diz secretário

>> Coronavírus: ''A população é que precisa se conscientizar'', diz secretário de saúde sobre aglomerações

>> Médica acredita em aumento de infectados e mortos por coronavírus após aglomerações: ‘’convite para a transmissão’’

 

Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou neste sábado (12) que foi informada pela Universidade de Oxford sobre a autorização para a retomada dos testes, mas que até o momento não foi comunicada oficialmente pela MHRA, responsavel por esta autorização.

"Para que a reativação do estudo clínico ocorra no Brasil, a Anvisa espera receber nos próximos dias o peticionamento da empresa AstraZeneca", disse em nota, explicando que, na prática, o laboratório precisa protocolar o pedido de nova anuência para que o estudo da vacina de Oxford possa ser retomado no país.

"A Anvisa reitera que está comprometida com a celeridade na análise de todos os dados. Ao mesmo tempo, trabalha para garantir a segurança dos participantes do estudo clínico no Brasil."

 

>> Secretário de Saúde demonstra preocupação sobre falta de medicação para tratar crianças com síndrome rara associada ao coronavírus 

>> Fiocruz: pandemia mantém média de mil vítimas do coronavírus por dia no Brasil

>> "Pico da pediatria em relação ao coronavírus ainda está por vir", diz vice-presidente do Cremepe

>> Coronavírus: Declaração de vice-presidente do Cremepe sobre ''pico da pediatria'' preocupa especialistas e pais

 

Aposta do governo

A vacina desenvolvida pela AstraZeneca, em parceira com a Universidade de Oxford, é tida pelo governo brasileiro como uma das principais apostas para a imunização contra o covid-19 no país.

O governo brasileiro, por meio do Ministério da Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), assinou um memorando de entendimento com a AstraZeneca que prevê a compra de 30 milhões de doses da vacina, com entrega em dezembro deste ano e janeiro do ano que vem, e a possibilidade de aquisição de mais 70 milhões se a vacina tiver eficácia e segurança comprovadas.

Além disso, o acordo inicial prevê a transferência da tecnologia desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca para produção local na Fiocruz, com previsão do ministério de início ainda no primeiro semestre de 2021 --o que foi colocado em dúvida por especialistas ouvidos pelas Reuters devido à complexidade do processo de transferência de tecnologia.

 

>> Fiocruz e Anvisa definem produção da vacina contra o coronavírus

>> Novo coronavírus: Reinfecções criam dúvidas sobre imunidade

>> Nova síndrome em crianças associada ao coronavírus é monitorada; entenda a doença   

>> Criminosos aproveitam pandemia do coronavírus para aplicar golpes via WhatsApp; veja como se proteger

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.