Número de doadores de medula óssea cai 36% em Pernambuco; saiba como doar

No Brasil, segundo o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea no Brasil (Redome), a queda foi de 30%

HEMOPE
Número de doadores de medula óssea cai 36% em Pernambuco; saiba como doar

A chance de encontrar uma medula compatível entre irmãos é de 25% - Foto: Arquivo/Elza Fiúza/Agência Brasil

O número de doações de medula óssea caiu 30%, entre janeiro e julho, em relação ao mesmo período do ano passado. As informações são do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea no Brasil (Redome). Em Pernambuco, caiu 36%.

O Redome reúne informações como nome, endereço, resultados de exames com características genéticas das pessoas que se voluntariam a doar medula. (Teste de Histocompatibilidade – HLA). Um sistema informatizado cruza as informações dos voluntários cadastrados no Redome com as dos pacientes que precisam do transplante, cadastrados no Registro Nacional de Receptores de Medula óssea (Rereme). Quanto mais voluntários cadastrados de diferentes regiões de um mesmo estado ou país, mais fácil encontrar um doador compatível na região onde o paciente mora. Quando é verificada a compatibilidade, a pessoa é convocada para realizar a doação.

Josiete Tavares, coordenadora do Cadastramento de Doadores de Medula Óssea do Hemope, explica o motivo da diminuição foi a pandemia que deixou a população dentro de casa. “Ficamos impossibilitados de ir até as empresas, aos municípios, para fazer a campanha e ficamos trabalhando apenas com a demanda espontânea que vem ao hemocentro”, contou.

Segundo Josiete, o transplante de medula óssea às vezes é a última chance de sobreviver do paciente. “Muitas vezes é a última chance que se tem de dar oportunidade de vida a um paciente porque seu organismo e a sua medula já não respondem mais aos medicamentos e aos procedimentos. A última instância é um transplante de medula óssea e encontrar aquele doador que tenha uma medula compatível”, destacou.

A chance de encontrar uma medula compatível entre irmãos é de 25% e entre pessoas que não são parentes pode chegar de 1 em 100.000 até 1 em 1.000.000.

Para ser um doador

  • Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde.
  • Os candidatos à doação assistem a palestras e vídeos educativos, depois assinam um termo de consentimento para doar. Todas as dúvidas deverão ser esclarecidas antes da assinatura.
  • Assinar o termo de consentimento significa que o doador concorda em dar prosseguimento ao processo e que tem a intenção de doar.
  • Os doadores preenchem um formulário com dados pessoais e é coletada uma amostra de sangue para testes de histocompatibilidade (HLA). É indispensável levar um documento original com foto, ter o conhecimento do número do CPF e levar o CNS (Cartão Nacional de Saúde), se possuir.

Em caso de compatibilidade com um paciente, o doador é então chamado para exames complementares e só depois de avaliada sua condição atual de saúde e confirmada a compatibilidade, ele estará apto para realizar a doação, lembrando que você poderá ser chamado a qualquer momento durante o período que permanecer com idade para realizar a doação.

Telefones e Endereços para contato

REDOME / REREME Rua do Resende, 195, térreo - Centro - Rio de Janeiro / RJ

Telefones do REDOME: (21) 3207-5299 / 3207-1449

Fundação HEMOPE: Disque Doação - 0800-0811535

Hemocentro Coordenador Recife – Secretaria do doador - (81) 3182-4651, 3182 4648.

Hemocentro Regional de Caruaru – (81) – 3719 9565

Hemocentro Regional de Petrolina – (87) – 3866 6601

Hemocentro Regional de Serra Talhada – (87) – 3831 9320

Hemocentro Regional de Garanhuns – (87) – 3761 2910

Hemocentro Regional de Arcoverde – (87) – 3821 8550

Hemocentro Regional de Salgueiro – (87) – 3871 8569

Hemocentro Regional de Ouricuri – (87) – 3874 1086

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.