Estudantes se preparam para volta às aulas presenciais em Pernambuco

Governo de Pernambuco liberou as aulas presenciais para os estudantes do ensino médio

EXPECTATIVA
Estudantes se preparam para volta às aulas presenciais em Pernambuco

Estudantes se preparam para voltar às salas de aula - Foto: Day Santos/ JC Imagem

A definição do calendário para o retorno das aulas presenciais do ensino médio das escolas públicas e particulares de Pernambuco deixou estudantes, pais e profissionais da educação ansiosos e também preocupados. As opiniões se dividem entre os riscos de contaminação da covid-19 e o desenvolvimento intelectual dos alunos.

Joana Xavier, de 15 anos, e estuda no primeiro ano de um colégio particular do Recife. Por enquanto, ela permanece com as aulas virtuais, mas não vê a hora de voltar para a sala de aula. “Estou bastante ansiosa. Não sei o que esperar, na verdade. A gente passou bastante tempo separado de amigos, professores e agora, com a volta, não minto, fico com receio ainda por conta da segurança”, comentou.

Por conta da pandemia da covid-19, as aulas presenciais estão suspensas desde o dia 18 de março, tanto na rede pública quanto privada.

A mãe, Leila Xavier, admite que ainda está na dúvida se vai permitir ou não o retorno da filha. “Eu queria observar mais como é que vai ser esse movimento. Apesar de saber que o colégio está se preparando para isso, que o governo tem estudado [a situação], mas é tudo tão novo, que nos deixa cheios de receio”, contou. 

Já para o estudante Melk Victor Ferreira, de 16 anos, que cursa o terceiro ano em uma escola estadual, este retorno não é uma opção e sim uma necessidade. Tendo apenas um celular à disposição e com a internet fraca, ele conta que o aprendizado está bastante prejudicado. “No meu caso, eu estudo pelo meu celular. Eu não tenho computador e a internet não é das melhores qualidades. Eu acabo acreditando com a volta das aulas presenciais o meu desempenho possa aumentar. Acredito que será benéfico, neste ponto”, disse.

A mãe de Melk, Elisandra Pereira, apoia a volta à escola do filho e torce para o desenvolvimento dele. “Em casa a internet cai, muito barulho e na escola eu acho bem melhor. Tem mais condições na escola”, afirmou.

Volta às aulas 

O terceiro ano do Ensino Médio recomeça no dia 6 de outubro. Na semana seguinte, no dia 13 de outubro, os alunos do 2º ano. No dia 20 de outubro poderão ser reiniciadas as aulas para os alunos do 1º ano, do Ensino Técnico Concomitante e Subsequente e da Educação de Jovens e Adultos.

Confira abaixo as principais medidas previstas no protocolo

  • Distanciamento mínimo de 1,5 metros;
  • Uso obrigatório de máscaras;
  • Lavagem frequente das mãos e uso do álcool em gel 70%;
  • Orientações para estudantes, professores e demais profissionais da educação;
  • Organização de grupos fixos de estudantes;
  • Escalonamento de horários;
  • Medição de temperatura;
  • Monitoramento de casos suspeitos e testagem, inclusive dos contactantes.

Premissas para o retorno escolar presencial

  1. Decisão final: a decisão sobre o retorno do estudante compete a cada pai ou responsável, sendo de caráter opcional;
  2. Critério de exclusão: estudantes, Professores e Trabalhadores da escola com fatores de risco (idade, doenças crônicas ou gestação), não devem retornar, caso não tenham se infectado anteriormente;
  3. Condições pessoais: não apresentar sinais e sintomas de suspeita de Covid-19. Se positivo, não retornar e ficar em isolamento;
  4. Orientações: o plano da escola deve ser informado aos pais ou responsáveis, professores e trabalhadores para que todos compreendam o processo de retorno local;
  5. Integração: fazer esforço para que escolas publicas e privadas tenham a oportunidade de voltar no mesmo período ou próximo;
  6. Retorno gradual: retorno deverá ocorrer em etapas de acordo com os anos e modalidades de ensino;
  7. Acolhimento: deverá ser priorizado o acolhimento dos professores, demais trabalhadores e estudantes;
  8. Ensino híbrido: além da oferta de aulas presenciais, deverá ter continuidade a oferta de atividades não presenciais;
  9. Condições de retorno: seja escola pública ou privada, deverá ocorrer o retorno daquelas que apresentam condições conforme protocolo setorial da Educação;
  10. Lotação: as escolas devem voltar de modo gradual, de acordo com as possibilidades de cada escola, inclusive com a redução da quantidade de estudantes e rodízio, se necessário;
  11. Plano de retorno: cada escola deve avaliar as suas condições e adaptar o protocolo geral às suas particularidades, privilegiando as medidas de prevenção de transmissão de vírus respiratórios;
  12. Detecção de casos e contatos: deverá ser adotado um plano de monitoramento;
  13. Vigilância Epidemiológica em âmbito escolar: toda escola deverá se cadastrar no sistema de notificação da COVID-19 (e-SUS Notifica) e registrar todos os casos suspeitos de acordo com as instruções das autoridades de saúde;
  14. Planejamento pedagógico: cada escola deverá realizar seu planejamento pedagógico para o período após a retomada das aulas presenciais.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.