Em meio à pandemia, SDS registra aumento de homicídios em Pernambuco

Segundo a coordenadora executiva do Gajop, Edna Jatobá, ainda não se pode ter certeza se a pandemia influenciou o aumento, mas os dados mostram que os números cresceram

HOMICíDIOS
Em meio à pandemia, SDS registra aumento de homicídios em Pernambuco

Segundo o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a pandemia dificultou o trabalho da polícia e fortaleceu os grupos criminosos, provocando o aumento da violência. - Foto: Pixabay

De com a Secretária de Defesa Social de Pernambuco (SDS-PE), em nove meses de 2020, 52 municípios pernambucanos já ultrapassaram o número de homicídios registrados ao longo de todo o ano de 2019.
O avanço das organizações criminosas em Pernambuco, durante a pandemia do novo coronavírus, pode ter contribuído para este resultado.

Segundo o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a pandemia dificultou o trabalho da polícia e fortaleceu os grupos criminosos, provocando o aumento da violência. Nas ruas, o sentimento de insegurança aumentou.

A coordenadora executiva do Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (Gajop), Edna Jatobá, falou sobre o aumento de casos de homicídios em Pernambuco e se teriam ou não relação direta com a pandemia.

“É muito precoce estar aumentando os homicídios em Pernambuco. Mas os dados nos dão uma pista nítida do que vem acontecendo. Pessoas que foram baleadas dentro de suas residências em 2019 na Região Metropolitana do Recife foram 123 casos. Em 2020, no período de pandemia, foram 170, ou seja, um aumento grande. Outra questão são os duplos homicídios e os homicídios múltiplos. Em 2019, no mesmo período, a plataforma Fogo Cruzado conseguiu registrar 23 homicídios duplos e três homicídios triplos. Em 2020, foram 34 homicídios duplos e 10 homicídios triplos. Existe alguma coisa muito errada com essas situações”, afirmou.

Um dos motivos desses homicídios, segundo Edna, seria o acerto de contas. A coordenadora falou como o Estado deveria agir para coibir esses crimes.

“O Estado precisa cumprir seu papel com energia, precisa investir em inteligência, nas missões de esclarecimento de homicídios. Colocar a inteligência na rua para conseguir diminuir esse número de crime. Isso é dever do Estado, entender a conjuntura criminal e agir sobre ela. Se está em tempo de pandemia e mais difícil, o Estado precisa buscar uma solução, e, se não conseguir dar conta sozinho, ele precisa expandir esse problema e mostrar com transparência que é o que ele não vem fazendo. O Estado não se posiciona, estamos em um momento crítico de aumento de homicídios, em pandemia”, disse.

Sobre o assunto, a Secretária de Defesa Social do Estado informou por meio de nota que já adotou uma série de medidas, intensificando operações de repressão qualificada e investigações focadas em grupos de extermínio e tráfico de drogas.

A nota disse ainda que os indicadores apontam para uma ampliação dos crimes de proximidade, praticados sobre emoção ou por impulso, em ambiente familiar, em momentos de brigas, conflitos e intolerância e que está elaborando campanhas para evitar esses tipos de crimes.

Confira as reportagens sobre o assunto:

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.