SEGURANÇA DIGITAL

Aprenda a verificar se um site é confiável durante a Black Friday


Especialista em segurança digital alerta para aspectos de segurança que devem ser analisados antes das compras da Black Friday

Yuri Nery
Yuri Nery
Publicado em 26/11/2020 às 16:21
Pixabay
FOTO: Pixabay
Leitura:

A tão aguardada Black Friday acontece oficialmente nesta sexta-feira (27). Só que este ano, a grande liquidação deve ter uma presença mais forte dos consumidores nos canais de venda on-line, já que com a pandemia da covid-19, esse acabou se tornando o meio encontrado por muita gente para continuar realizando compras sem sair de casa. Entretanto, com as facilidades do ambiente virtual, também vêm os riscos de cair uma série de golpes. O especialista em segurança digital da Certisign, Oscar Zuccarelli, explica que desconfiar de promoções com preços muito abaixo do que é praticado no mercado, deve ser sinônimo de desconfiança para os consumidores.

“A gente tem que desconfiar daquilo é que muito bom. É óbvio que na Black Friday a gente está esperando boas oportunidades. Mas aquilo que está fora de qualquer expectativa, normalmente a gente precisa desconfiar”, destacou.

Segurança

O especialista detalha aspectos que devem ser observados no momento das compras na internet, como a forma da disposição do endereço eletrônico da loja que está sendo acessada.

“Quando a gente acessa um site na internet, na barra do navegador aparece o nome do site que eu estou acessando. E normalmente no início tem o ‘https’. Esse ‘https’ é um protocolo de comunicação. E o ‘s’ significa que a comunicação entre o meu entre o meu computador e o site em que eu estou fazendo a compra, é uma comunicação segura”, explicou.

Exposição nas redes

Zuccarelli destaca que os criminosos se utilizam de espécies de ‘iscas’ que são capazes de ‘pescar’ informações pessoais da população a fim de aplicar golpes. “Atualmente a gente tem o SMS, algum tipo de ligação, para que a gente passe informações pelo celular. Ou até mesmo através de redes sociais ou ferramentas de comunicação, como WhatsApp e Telegram, disse.

O especialista afirma ainda que a exposição das pessoas na internet contribui para que elas se tornem alvos fáceis de golpes. “As pessoas acabam expondo bastante as suas vidas nas redes sociais. E quanto mais informação for possível coletar da gente nas redes sociais, maior é a chance que uma pessoa tem de fazer um ataque direcionado”, complementou.

Confira a íntegra da entrevista com Oscar Zuccarelli:


Mais Lidas