ALERTA

Advogado dá orientações para que aposentados se protejam contra golpes de empréstimos consignados


Funcionalidade de empréstimo pode ser bloqueada pelos próprios aposentados por meio de aplicativo disponibilizado pelo INSS

Yuri Nery
Yuri Nery
Publicado em 03/12/2020 às 17:55
Reprodução/Rádio Jornal
FOTO: Reprodução/Rádio Jornal
Leitura:

Os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), estão relatando nas redes sociais terem sido vítimas do golpe do empréstimo consignado. Que é quando o nome dessas pessoas é vinculado a um empréstimo que elas não solicitaram e, com isso, o segurado fica com as parcelas para quitar sem ter sequer recebido o dinheiro. O advogado e especialista em direito previdenciário, Kelps Mendes, explica o que é possível fazer para evitar cair nesses golpes.

“O que eles podem fazer, através do próprio aplicativo Meu INSS, é gerar um bloqueio nesse benefício para empréstimos. E aí as agências não podem fazer empréstimos”, disse.

“Se porventura for autorizado algum empréstimo nesse benefício, esse segurado por acionar a justiça para poder receber a devolução, em dobro, dos valores que foram descontados. E pedir também uma indenização”, complementa o advogado.

Golpes mais comuns

O especialista alerta para uma modalidade bastante utilizada pelos golpistas, mas também alerta para uma que, mesmo sendo bastante comum, é pouco divulgada.

“Aquele empréstimo consignado que é feito o desconto no próprio benefício do INSS. E também um que é pouco divulgado, que é chamado de cartão de crédito consignado”, destacou.

Contestação

Os empréstimos realizados sem o consentimento do segurado, podem ser questionados no prazo de até dois anos após o término do pagamento do valor que tenha sido contratado, afirma Kelps Mendes.

“O prazo, ele vai até dois anos após a finalização do empréstimo. Então, tem bastante tempo pela frente. Porque os empréstimos geralmente têm durações bem amplas. Então após a finalização dos descontos, conta-se mais dois anos a frente”, explicou.

Confira a íntegra da entrevista com o advogado:


Mais Lidas