Aumento

Motoristas reclamam dos altos preços da gasolina na Região Metropolitana do Recife


Combustível aumentou de preço mais uma vez; confira o novo valor

Carol Coimbra
Carol Coimbra
Publicado em 03/12/2020 às 12:10
Tomaz Silva/Agência Brasil
FOTO: Tomaz Silva/Agência Brasil
Leitura:

O novo preço do litro da gasolina comum em alguns postos de combustíveis da Região Metropolitana do Recife é de R$ 4,69. Desde o começo desta semana, o valor vem sendo encontrado nos locais. A situação tem assustado os motoristas.

O autônomo Oswaldo Mendonça falou que acha um absurdo o valor do preço do combustível. “Gasolina está caro demais, álcool caro demais. Um absurdo a Gasolina no preço que está”, declarou.

No mês de novembro, a Petrobras determinou dois aumentos seguidos, de 4% e 6%, o que acabou elevando bastante o preço. Nesta quarta-feira (3), a estatal anunciou uma redução de 2% nas refinarias a partir de hoje. Acontece que o repasse desta diminuição aos consumidores finais não é garantida e depende de uma série de fatores como margem de distribuição e revenda. Ou seja, o motorista ainda deve continuar pagando caro.

O eletricista Roger Melo reclamou dos aumentos consecutivos. “A gasolina aumenta, tudo aumenta. A forma que nós temos é repassar. Pesa no bolso, no orçamento, pesa muito”, disse.

Comunicado Sindicombustiveis-PE:

O Sindicombustiveis-PE, entidade que representa os postos revendedores de combustíveis no estado de Pernambuco, comunica que mês de novembro já foram praticados pela Petrobrás dois aumentos consecutivos, dias 12 e 26/11.Lembramos que essa majoração se refere ao combustível bruto, comercializado pela refinaria para as distribuidoras, sem a adição de etanol atendendo as normas legais, e sem os impostos cabíveis. Além desses aumentos, o mercado local sofreu na última semana com o contingenciamento na entrega do combustível, devido a problemas com a logística. Vale destacar ainda que os postos de combustíveis tem autonomia para precificar os produtos comercializados por cada estabelecimento, tendo como parâmetros exclusivos os seus custos operacionais e a livre concorrência do mercado.

Ouça a reportagem de Elis Martins:


Mais Lidas