Política

Senador Lasier Martins comenta impossibilidade reeleição de Maia e Alcolumbre e nomes para presidir Câmara e Senado


Senador do Podemos comemorou a decisão do STF de barrar a reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado Federal e os próximos passos do Congresso Nacional

Priscila Miranda
Priscila Miranda
Publicado em 07/12/2020 às 9:39
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
FOTO: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:

Em entrevista ao Passando a Limpo desta segunda-feira (7), o senador Lasier Martins (Podemos), do Rio Grande do Sul, comentou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de não permitir a reeleição dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Rodrigo Maia e Davi Alcomumbre. Ele comemorou o feito.

“Felizmente a Constituição foi salva no último minuto da noite de ontem. Era quase meia-noite quando os três ministros faltantes, com seus votos virtuais, Fux, Facchin e Barroso, proferiram seus votos. Eu já estava pensando num projeto de lei para mudar a responsabilidade pela guarda da constituição e entregar a academia brasileira de letras, onde se sabe interpretar e reconhecer as palavras, porque o Supremo estava entendendo onde dizia ‘vedar’ a recondução, eles estavam entendendo como ‘não vedar’. Um absurdo, uma coisa ridícula”, criticou o senador.

Lasier também citou alguns nomes que possam ser os substitutos de Maia e Alcolumbre na Câmara e no Senado Federal.

“Eu tenho a impressão que o próximo candidato e o próximo eleito e não poderá ser tão ruim, tão negativo, tão contraproducente. Já tem nomes sendo especulados. O nome do Eduardo Gomes, do Tocantins, está sendo muito mencionando, talvez seja o nome preferido do governo, embora nós não devemos nunca esquecer a independência dos governos. O Senado não deve estar ali para servir o governo, e sim para servir ao Brasil. O outro nome que tem sido falado é o Eduardo Braga, só não sei se ele é ficha suja, tem processo no Amazonas, quando era governador”, disse Lasier, que também afirmou que haverá uma reunião na quinta (10) de senadores sobre o assunto e que colocou seu próprio nome à disposição.

Com relação à Câmara, o político também comentou as especulações de que após a derrota de Maia possa haver um avanço de pautas mais conservadoras e alinhadas com o governo do presidente Jair Bolsonaro. Para ele, o preferido à vaga da presidência seria o deputado Arthur Lira (PP), de Alagoas.

“Há uma pulverização de candidatos na Câmara, então a gente não sabe para que lado vai. Uma coisa me parece muito provável: o candidato à presidência da Câmara será do centrão, e o centrão está fechado com o presidente Bolsonaro. Basta ver aí a distribuição de cargos cada vez mais crescente. E com o presidente da Câmara sendo do centrão vai evoluir ainda mais, algo que o presidente tinha dito que não obedeceria.”

Confira a entrevista na íntegra:


Mais Lidas