PREVENÇÃO

Ipojuca proíbe mesas, cadeiras e toldos em Porto de Galinhas no réveillon


Porto de Galinhas também não terá queima de fogos

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 29/12/2020 às 16:30
Tião Siqueira/ JC Imagem
FOTO: Tião Siqueira/ JC Imagem
Leitura:

Quem decidir ver a chegada de 2021 na praia de Porto de Galinhas, em Ipojuca, no litoral sul de Pernambuco, deverá ficar atento às restrições impostas pela prefeitura. A gestão decidiu, nesta terça-feira (29), cancelar em todo o litoral ipojucano o uso de cadeiras, bancos, mesas, toldos, tendas, guarda-sóis, coolers, isopor e similares e som durante o réveillon.

>> Alerta: Cuidado ao soltar fogos de artifícios neste final do ano

>> Ipojuca cancela queima de fogos no réveillon em Porto de Galinhas e demais praias da cidade

>> Covid-19: em dez dias, Pernambuco registra mais de 10 mil casos

>> Governo de Pernambuco proíbe festas de Natal e réveillon para tentar conter avanço da covid-19

Em relação ao comércio ambulante, já existe a Lei Municipal nº 485/2018 que regulamenta o comércio na orla de Ipojuca, permitindo o funcionamento das 6h às 18h.

Queima de fogos suspensa

No dia 10 de dezembro, a Prefeitura de Ipojuca divulgou que a tradicional queima de fogos de réveillon foi suspensa este ano no município.

A decisão, que tem o objetivo de evitar a disseminação do novo coronavírus, está alinhada com o decreto publicado no dia 7 de dezembro pelo Governo de Pernambuco, que proíbe a realização de festas de Natal e de réveillon no estado.

Fiscalização

A fiscalização relativa às restrições serão feitas pela Secretaria de Defesa Social (SDS) e pela Secretaria de Meio Ambiente e Controle Urbano. A conscientização da obrigatoriedade do uso de máscaras e dos perigos quanto a aglomeração estão sendo feitas em duas frentes: a Secretaria de Turismo distribuindo máscaras diariamente no balneário de Porto de Galinhas e a Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte do Ipojuca (AMTTRANS) junto com a Secretaria de Saúde e Vigilância Sanitária municipal realizando diariamente barreiras sanitárias.


Mais Lidas