Pandemia do novo coronavírus

“Não há evidência de prevenção”, diz médico sobre uso da Ivermectina contra Covid-19


Após longo debate entre cientistas e negacionistas em torno da Cloroquina, a Ivermectina, remédio usado contra piolho, é o novo suposto método de prevenção criticado por especialistas em saúde.

Gabriel dos Santos Araujo Dias
Gabriel dos Santos Araujo Dias
Publicado em 29/12/2020 às 12:24
Pixabay
FOTO: Pixabay
Leitura:

Em entrevista na manhã desta terça-feira (29) ao Passando a Limpo, o médico Aurélio Molina explicou que não há nenhuma evidência de que a Ivermectina, um remédio usado contra piolho, seja eficiente na proteção contra a covid-19.

“Não há sugestão de evidência da questão da prevenção”, afirmou Molina, criticando profissionais de saúde que têm prescrito o medicamento. De acordo com o especialista, o máximo que existe, neste momento, são algumas pesquisas que indicam a possibilidade do remédio estar associado à melhora de pacientes já em tratamento.

“Os pacientes teriam mais rápida eliminação do vírus, mais rápida alta hospitalar e diminuição de até 83% de mortalidade”, falou o médico, se referindo a pesquisas internacionais. No entanto, o médico alertou que essas são pesquisas que ainda não estão completamente finalizadas. “São trabalhos que podem estar certos e podem estar errados”, salientou.

Forma correta de se prevenir

O médico disse que seguir os protocolos segue sendo a melhor forma de se prevenir do novo coronavírus. “O uso de máscara, de face shield, o distanciamento físico de 2 metros, lavar a mão frequentemente. Isso, sim, tem evidência científica de que são eficientes. Não podemos abrir mão, muito menos trocar por um medicamento que, em relação à prevenção, não tem nem sugestão de evidência”, concluiu.

Confira a entrevista do médico no Passando a Limpo:


Mais Lidas