IMUNIZAÇÃO

Butantan receberá insumos para produzir mais 8,6 milhões de vacinas

Insumo para a produção da vacinas estaria no Aeroporto de Pequim, neste domingo (31)

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 31/01/2021 às 15:09
Governo de São Paulo
FOTO: Governo de São Paulo
Leitura:

O Instituto Butantan deve receber insumos para produzir mais 8,6 milhões de doses da vacina contra a covid-19 CoronaVac. Segundo divulgou em nota na manhã deste domingo (31) o governo de São Paulo, 5,4 mil litros do insumo farmacêutico ativo estavam neste domingo no Aeroporto de Pequim, na China, prontos para ser embarcados para o Brasil.

Os insumos necessários para a produção do volume de vacinas devem chegar na quarta-feira (3).

>> Enfermeira que debochou de eficácia da vacina contra a covid-19 é demitida

>> Bolsonaro diz que insumos da CoronaVac chegarão nos próximos dias

>> Avião com segundo lote da CoronaVac pousa no Aeroporto do Recife

>> Médica explica por que, mesmo com 50% de eficácia, vacina CoronaVac é boa para o Brasil; entenda

Vacinas entregues ao Ministério da Saúde

O Butantan já entregou ao Ministério da Saúde 8,7 milhões de doses da vacina para o programa de imunização que está sendo conduzido em todo o país. Em São Paulo, 385 mil pessoas foram vacinadas contra a doença.

Na última sexta-feira (29), o ministério confirmou a compra de mais 54 milhões de doses de CoronaVac, além das 46 milhões que já estavam contratadas e que serão produzidas pelo Butantan. Assim, o instituto deve entregar 100 milhões de doses do imunizante produzido em parceria com o laboratório chinês Sinovac. O cronograma das próximas entregas deve ser detalhado na quarta-feira.

O Ministério da Saúde informou ter garantido a compra de um total de 354 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 que devem ser recebidas ainda neste ano. Dessas, 254 milhões serão produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a farmacêutica britânica AstraZeneca.

O governo federal também tem feito negociações com os laboratórios Gamaleya, da Rússia, Janssen, Pfizer e Moderna, dos Estados Unidos, e Barat Biotech, da Índia.

Mais Lidas