LGBTFOBIA

Ativista LGBTQIA+ decide processar vocalista do Molejo, Anderson Leonardo

O vocalista do Molejo, Anderson Leonardo, é suspeito de estuprar o cantor MC Maylon

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 09/02/2021 às 8:21
Reprodução/ Instagram
FOTO: Reprodução/ Instagram
Leitura:

O ativista da causa LGBTQIA+ Agripino Magalhães decidiu registrar uma denúncia crime por LGBTQIA+fobia contra o vocalista do grupo Molejo, Anderson Leonardo. O cantor foi acusado pelo MC Maylon de estupro.

Após a repercussão do caso e prestar depoimento na 33ª DP de Realengo, no Rio de Janeiro, Anderson Leonardo participou de uma live com o jornalista Betoh Cardoso e afirmou que a relação sexual foi consensual.

No entanto, o vocalista do Molejo usou termos pejorativos para se referir ao MC Maylon. “Comi? Comi. Estuprei? Não. Comi, com consenso”, disse o cantor. Anderson Leonardo ainda usou outros termos para diminuir a vítima.

À colunista do jornal O Dia, Fábia Oliveira, Agripino disse ainda que a live precisa ser retirada do ar com urgência. "Foi um show de homofobia e não ficará impune. Ele será processado e eu também pedirei na Justiça a retirada do vídeo (live) do ar com urgência", contou.

A homofobia está enquadrada na lei 7.716/89, que abrange o crime de racismo social, e pode dar até 3 anos de reclusão a quem cometê-lo.

Entenda o caso

O cantor do grupo de pagode Molejo, Anderson Leonardo, está sendo acusado de estupro por um cantor e dançarino conhecido como MC Maylon, de 21 anos de idade. A denúncia foi feita nessa quarta-feira (3). Anderson era empresário de Maylon. O cantor de Molejo nega a acusação.

Segundo a denúncia, o crime aconteceu no último mês de dezembro em um hotel na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Ao G1, MC Maylon disse que foi levado ao hotel contra a própria vontade. Ele afirmou que havia se encontrado com Anderson para uma reunião, mas que, depois de entrar no carro, Anderson mudou o trajeto e levou Maylon para o hotel.

“Quando entramos, ele começou a me agredir. Me deu tapa na cara. Durou uma hora e não sei quantos minutos. Eu nunca ia esperar isso dele. Quando ele penetrou em mim, senti muita dor", disse Maylon, segundo o G1.

MC Maylon disse que, ao tentar se defender, afirmou que era virgem, mas que continuou sendo agredido. De acordo com o relato, Anderson teria dito que era "vergonha um viado (sic) de 21 anos ser virgem”. Ao fazer a denúncia, MC Maylon disse que guardou roupas íntimas com sangue e vestígios de esperma para provar a agressão.

Sem felicidade

Maylon, que se chama Maycon Douglas Pinto de Nascimento Adão, disse que não tem mais ânimo para usar maquiagem, após ter ouvido que não parecia ser virgem. "Hoje meu mundo é isso que eu vivo, sem maquiagem, eu era tão vaidoso, passava tanta maquiagem, meus amigos e amigas sabem disso. E dentro do hotel ele falou pra mim: você tem cara de puta, de prostituta, jamais achava que você era virgem com essas roupas”.

Maylon defendeu que mulheres e gays denunciem casos de estupro. "É muito triste, mulheres, gays, não deixem ninguém fazer isso com vocês, vocês são fortes. Eu não vou deixar o Anderson Leonardo acabar com meu sonho, minha vida e minha carreira. Não fiquem com medo, denunciem”.

Cantor negou envolvimento com MC Maylon

Inicialmente, o cantor Anderson Leonardo emitiu uma nota negando as acusações. Na ocasião, ele disse "que conhece a suposta vítima, mas jamais praticou os atos veiculados na imprensa, inclusive, tem conhecimento que a suposta vítima já esteve presente em diversas apresentações artísticas do Cantor, em ocasiões posteriores à falaciosa alegação, o que demonstra, claramente, que a narrativa publicada nunca ocorreu".

Mais Lidas