Registrato

Veja como consultar se está sendo alvo de crimes, após vazamento de dados de celulares

Ministério da Justiça notificou Vivo, Claro, Tim e Oi a respeito do vazamento de informações de 100 milhões de celulares

Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 16/02/2021 às 12:24
Pixabay
FOTO: Pixabay
Leitura:

O Ministério da Justiça e Segurança Pública deu um prazo de 15 dias para as operadoras Vivo, Claro, Oi e Tim explicarem o vazamento de dados de mais de 100 milhões de aparelhos celulares brasileiros.

Desde o mês passado, episódios de divulgação em massa expuseram na internet informações financeiras de milhões de pessoas, e abriram caminho para golpes virtuais.

A ideia é saber que dados foram vazados, de que forma e quem foram as vítimas.

>> Plataforma mostra como saber se seu CPF foi usado por terceiros; veja como

>> WhatsApp: mudanças podem fazer com que usuários precisem abandonar aplicativo

>> WhatsApp pode ser bloqueado em fevereiro; veja o que fazer para seguir usando o app

Venda dos dados

De acordo com a empresa de segurança PSafe, o vazamento dos dados foi detectado em fevereiro de 2021. As informações estariam sendo vendidas em espaços como a deep web - camada da internet não localizável por ferramentas de indexação como o Google - e envolveriam CPF, número de telefone e minutos gastos em ligações.

>> 'Vale gás': Polícia Federal alerta para novo golpe; veja como funciona

>> Golpe: Receita Federal faz alerta sobre e-mail falso circulando

>> Polícia investiga caso de piloto pernambucano vítima de golpe ao tentar comprar carro de luxo pela internet

>> Criminosos usam vacinação contra covid-19 para aplicar golpes; entenda

Crimes

De posse de dados pessoais, criminosos enviam contas falsas de telefone e de televisão por assinatura por e-mail, com nome completo e endereço, por exemplo. Nesse caso, basta o consumidor entrar diretamente no site da operadora e verificar a situação, sem acessar nenhum link suspeito.

Outros golpes podem trazer prejuízos reais, quando terceiros usam os dados para abrir contas bancárias, chaves Pix e fazer empréstimos em seu nome. No entanto, um sistema desenvolvido pelo Banco Central (BC) permite ao cidadão precaver-se contra fraudes ao consultar a situação financeira.

Registrato

O Banco Central lançou um serviço para que a pessoa identifique se o seu CPF está sendo usado por terceiros, sem autorização. Pelo Registrato, o usuário pode acessar um extrato das informações dela com instituições financeiras.

A ferramenta ajuda o usuário a se precaver contra o mau uso de dados que tenham eventualmente sido vazados e divulgados indevidamente.

A ferramenta Registrato permite a consulta online do histórico de pessoa física ou jurídica em bancos e financeiras. Entre as informações que podem ser levantadas, estão a abertura de contas bancárias (ativas ou inativas), dívidas (liquidadas ou em aberto) e envios de dinheiro para o exterior.

Vazamentos

No vazamento mais grave, foram expostas informações de mais de 220 milhões de brasileiros, vivos e mortos.

Ao todo, foram divulgadas 37 bases de dados que abrangem nome, Cadastro de Pessoa Física (CPF), endereço, foto, score (pontuação, em inglês) de crédito, renda, situação na Receita Federal e no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Saiba como entrar no sistema Registrato

Cadastro

  1. O cidadão deve credenciar-se no site do Banco Central. É preciso fornecer CPF, data de nascimento e primeiro nome da mãe.
  2. No mesmo site, o usuário deve informar um banco em que tenha conta para validar o cadastro. O Banco Central comparará as informações prestadas com a base de dados da instituição financeira.
  3. O sistema fornecerá uma frase de segurança, que precisa ser copiada.
  4. O usuário deverá abrir, em outra aba do navegador, o site do banco informado anteriormente.
  5. Na página do banco, basta buscar pela opção "Registrato" e colar a frase de segurança. O sistema pedirá a senha de seis dígitos da conta corrente. Caso não faça o procedimento em até 48 horas, o cliente deve gerar uma nova frase de segurança no site do BC.
  6. Após validar a frase de segurança no site do banco, o usuário deve retornar ao site do BC e concluir o cadastramento, clicando no botão "Próximo".
  7. No site do BC, o cliente deve digitar novamente o CPF, a frase de segurança e selecionar a instituição financeira. Em seguida, a página pedirá para informar um endereço de e-mail e criar uma senha de oito dígitos.
  8. Basta rolar a página e clicar no botão "Concluir credenciamento". Caso o procedimento dê certo, aparecerá uma janela pop-up com a opção "Acessar Registrato".

Consulta

  1. Concluído o cadastro, o cidadão pode entrar no site do Registrato e consultar o histórico de relacionamento com instituições financeiras. Basta usar o CPF e a senha criada anteriormente para fazer o login.
  2. A página do Registrato oferecerá as opções "Meus endividamentos", "Meus relacionamentos financeiros" e "Minhas operações de câmbio". Em cada um desses painéis é possível gerar um relatório.
  3. É preciso aceitar os termos de responsabilidade em cada painel. A tela exibirá todos os relatórios gerados nos últimos seis meses.
  4. Se o cliente quiser, pode baixar o relatório de operações cambiais em arquivo PDF, mas o arquivo leva até dois dias úteis para ser oferecido pelo Registrato.

Mais Lidas