Afinal, ir para a igreja na pandemia é arriscado? O que é mais perigoso: ir à igreja ou ao mercado?

Nesta quarta-feira (7), STF decide se igrejas podem ser fechadas por decretos estaduais e municipais durante avanço da covid-19

PANDEMIA DO NOVO CORONAVíRUS
Afinal, ir para a igreja na pandemia é arriscado? O que é mais perigoso: ir à igreja ou ao mercado?

Projeto classifica igrejas como atividade essencial - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Igrejas são responsáveis por um dos pontos mais polêmicos em decretos estaduais e municipais que definem o fechamento de atividades não essenciais nos momentos mais críticos da pandemia da covid-19. De um lado, há quem diga que elas não devem funcionar pelos riscos de transmissão do novo vírus entre os fiéis e seus familiares. Por outro lado, há quem defenda os cultos presenciais levantando teses jurídicas para isso. O debate é tão crítico que o Supremo Tribunal Federal decide nesta quarta-feira (7) se elas podem ou não ser fechadas por determinação dos prefeitos e governadores. Mas, afinal, ir fisicamente à igreja é mesmo perigoso?

Há poucos meses, em novembro, pesquisadores da Universidade de Stanford publicaram um ranking dos lugares com maior risco de contaminação. De acordo com o estudo, igrejas estão no 6º lugar no levantamento dos lugares mais perigosos. Para se ter uma ideia, elas estão à frente de consultórios médicos (7º lugar) e mercados (8º lugar), mas são locais menos perigosos do que restaurantes (o local mais perigoso) e academias (2º). O estudo analisou o comportamento de 98 milhões de pessoas, de acordo com o jornal O Estado de São Paulo e foi publicado pela revista científica Nature. 

Por quê?

Mas por qual razão as igrejas se tornam potencialmente perigosas para a transmissão do vírus? Pesquisadores das universidades de Oxford, no Reino Unido, e do Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos EUA, explicam que fatores como circulação de ar, quantidade de pessoas e tempo de exposição interferem no maior ou menor grau de risco de contaminação. 

Diversos estudos provam que a contaminação se dá, principalmente, pelo contato com gotículas expelidas durante espirro, tosse ou fala com alguém contaminado - mesmo que esta pessoa esteja assintomática. 

Os cientistas alertam que quando as pessoas cantam ou falam alto, como é visto em cultos e celebrações de vários segmentos religiosos diferentes, a possibilidade de contaminação aumenta, mesmo quando há distanciamento social de dois metros entre uma pessoa e outra. 

Para exemplificar, o estudo relata o caso de um surto de covid-19 em um coral nos Estados Unidos. Apesar de manterem protocolos durante ensaios, 32 cantores do grupo ficaram doentes.

Superespalhamento

Em entrevista ao Estadão, o pesquisador da Universidade de Vermont (EUA) e membro do Observatório Covid-19 BR, o físico Vitor Mori, disse que, além do “risco muito alto” de transmissão, igrejas podem funcionar como eventos de “superespalhamento”. “A força motriz por trás da pandemia é ligada a esses eventos, onde muitas pessoas se infectam ao mesmo tempo. Normalmente acontecem em espaços fechados, com muita gente, onde as pessoas estão cantando ou gritando”, explicou. 

“Álcool em gel e medição de temperatura são inúteis na transmissão pelo ar, que é a principal da covid”, acrescenta o pesquisador. 

A Associação Médica Americana (AMA) foi contrária à reabertura de templos em um processo na Justiça dos Estados Unidos. Para a AMA, os eventos religiosos têm vários “fatores de risco” para a proliferação do vírus. “Grandes grupos de pessoas entram em um recinto fechado, sentam-se ou ficam em pé perto um do outro por uma quantidade significativa de tempo e, normalmente, falam e cantam”, argumentou a entidade. 

Quando é o momento de fechar igrejas?

De acordo com o mestre em saúde pública pela Universidade de Harvard e médico do centro de pesquisa clínica e epidemiológica do Hospital Universitário da USP, Marcio Sommer Bittencourt, as igrejas não precisam ser fechadas durante toda a pandemia. “Em um momento menos intenso poderíamos ser mais flexíveis. Não precisa esperar acabar tudo, mas estamos no momento de transmissão mais intensa”, disse. 

Caso emblemático

Na Coreia do Sul, na Ásia, o governo acredita que a Igreja de Jesus Shincheonji foi o epicentro do espalhamento da doença no país. No templo, os fiéis ficam sentados no chão e sem nenhum distanciamento físico. 

Em agosto, o líder religioso de uma igreja de Seul, capital sul-coreana, foi preso por suspeita de esconder casos da doença entre os fiéis. Em setembro, a prefeitura da cidade pediu indenização de US$ 4 milhões a uma igreja da cidade. A acusação era de que os religiosos dificultavam ações de controle contra a covid. 

Debate no STF

Nesta quarta-feira (7), o STF vai decidir se prefeitos e governadores podem ou não fechar as igrejas para conter a transmissão da covid-19. A divergência entre os ministros. Nunes Marques, é favorável aos cultos com fiéis presentes fisicamente. Para Gilmar Mendes, por outro lado, as pessoas devem acompanhar os cultos de casa.

TAGS

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.