Detento da Penitenciária de Itamaracá alcança nota 900 na redação do Enem 2020

Confira como o detento conseguiu tirar uma nota tão alta na prova de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O reeducando está no sistema prisional de Pernambuco há 7 anos

EDUCAçãO
Detento da Penitenciária de Itamaracá alcança nota 900 na redação do Enem 2020

Uma rotina de leituras foi a chave para conseguir o excelente resultado. - Foto: Divulgação

Com informações do JC Online

Um detento da Penitenciária Agroindustrial São João (PAISJ), em Itamaracá, na Região Metropolitana do Recife (RMR),  conseguiu tirar a nota 900 na prova de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020.

Segundo a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, por meio da sua Executiva de Ressocialização (Seres), 1.273 pessoas privadas de Liberdade (PPLs) se inscreveram no exame.

>> Detento da Penitenciária de Itamaracá alcança nota 900 no Enem 2020

>> Inscrições para o Sisu: veja como fazer

>> Jovem de Jaboatão dos Guararapes está entre os 28 candidatos de todo o país que conseguiram nota máxima na redação do Enem

 

Qual o segredo?

Uma rotina de leituras foi a chave para conseguir o excelente resultado.

 

>> Alunos do Instituto JCPM conquistam boas notas na redação do Enem 2021

>> Redação do Enem: Inep nega falha na correção da edição de 2020

 

Ironildo Rodrigues de Melo, de 42 anos, está no sistema prisional de Pernambuco há 7 anos e conta que passou boa parte desse tempo sem vontade de estudar. "A prisão me deixou muito triste e não tive ânimo para estudar e assim passei uns três anos da minha vida. De 2018 para cá, estudo todo dia, o dia todo. Minha mãe comprava os livros na feira por dois ou cinco reais e trazia [para a penitenciária]", explicou. O detento disse que pensa em cursar Matemática ou Ciências da Computação.

Outros reeducandos

A segunda e terceira maior nota ficaram com Givanildo Barros da Lima, preso na Penitenciária Doutor Edvaldo Gomes, em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, e Josenilson Leite de Oliveira Júnior, da Penitenciária de Tacaimbó, no Agreste. Eles alcançaram 800 e 680, respectivamente.

"Trabalho e educação são os pilares da ressocialização, esta é mais uma etapa importantíssima no processo de recuperação das pessoas privadas de liberdade", pontuou o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico.

De acordo com a Seres, pessoas privadas de Liberdade de 24 estabelecimentos penais do Estado, sendo 23 unidades prisionais e uma cadeira pública, se inscreveram. Houve uma evolução também na nota de redação do primeiro lugar, de 700, em 2019, para 900, no ano seguinte.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.