Depois de ridicularizar mortes por covid-19, Bolsonaro lamenta falecimento de Paulo Gustavo

Sobre mortes causadas pela covid-19, Bolsonaro já perguntou “e daí?” e disse que não era “coveiro”

PANDEMIA DO NOVO CORONAVíRUS
Depois de ridicularizar mortes por covid-19, Bolsonaro lamenta falecimento de Paulo Gustavo

Presidente Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução

Após dezenas de comentários ridicularizando mortes causadas pela covid-19, minimizando os riscos da doença e questionando fatos científicos sobre a pandemia no mundo, o presidente Jair Bolsonaro decidiu publicar um tuíte para lamentar a morte do ator Paulo Gustavo, que padeceu do vírus na terça-feira (4). Esta foi uma das poucas mensagens afetuosas e respeitosas de Bolsonaro a uma vítima do novo coronavírus em mais de um ano desde o início da crise sanitária no país. 

“Meus votos de pesar pelo passamento do ator e diretor Paulo Gustavo, que com seu talento e carisma conquistou o carinho de todo Brasil. Que Deus o receba com alegria e conforte o coração de seus familiares e amigos, bem como de todos aqueles vitimados nessa luta contra a Covid”, escreveu Bolsonaro na madrugada desta quarta-feira. 

Além do texto, Bolsonaro também publicou a foto de Paulo Gustavo segurando uma imagem de Irmã Dulce, de quem era devoto e para quem o ator rezou antes de ser intubado.

Comportamento diferente

O comportamento de Bolsonaro em relação à morte de Paulo Gustavo difere bastante da forma como o presidente costuma se posicionar em relação à pandemia do novo coronavírus. Negacionista, Jair Bolsonaro já declarou por diversas vezes que a pandemia não é tão grave. 

No ano passado, questionado sobre mortes causadas pelo vírus, Bolsonaro respondeu: “E daí?”. Em outro momento, o presidente disse que não era “coveiro” para falar das mortes. 

Em novembro, o presidente disse: “Não adianta fugir disso, fugir da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas. Temos que enfrentar de peito aberto, lutar. Que geração é essa nossa? Tudo agora é pandemia, tem que acabar esse negócio, pô". Bolsonaro também é defensor do uso de medicamentos que não auxiliam no tratamento da covid-19. 

Morte de Paulo Gustavo

O ator Paulo Gustavo morreu, aos 42 anos, na noite desta terça-feira (4). O comediante é mais uma vítima da covid-19 no Brasil. Paulo estava internado desde 13 de março em um hospital particular da capital carioca. Em 21 de março, ele foi intubado e, alguns dias depois, teve o estado de saúde agravada por causa de uma infecção por uma bactéria no pulmão, que já estava fragilizado pelo novo coronavírus.

A morte de Paulo Gustavo foi confirmada às 21h12. Mais cedo, ainda nesta terça, um outro boletim médico já havia revelado que o estado de saúde do ator era grave e irreversível. Paulo deixa esposo, pai, mãe e dois filhos. 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.