JUSTIÇA

Policiais militares ainda não foram afastados após atirarem nos olhos de pessoas em protesto no Recife


Duas pessoas foram atingidas nos olhos por balas de borracha disparadas por policias militares em protesto no Recife

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 31/05/2021 às 17:26
Felipe Ribeiro/ JC Imagem
FOTO: Felipe Ribeiro/ JC Imagem
Leitura:

Os policias militares do Batalhão de Choque que atiraram nos olhos de duas pessoas no centro do Recife, no sábado (29), ainda não foram afastados pela Secretaria de Defesa Social (SDS). A informação foi revelada pelo blog Ronda JC, nesta segunda-feira (31). Vítimas estavam passando pela Ponte Duarte Coelho, no centro do Recife, no momento em que era realizado um protesto contra o Governo do presidente Jair Bolsonaro quando foram feriadas por balas de borracha disparadas pelos PMs.

Oficialmente, até o momento, apenas os quatro policiais da Radiopatrulha, envolvidos na agressão contra a vereadora do Recife Liana Cirne (PT), além do oficial da operação violenta, foram afastados das atividades nas ruas.

>> Jovem baleado pela PM em protesto no Recife chora ao contar que ouviu de médico que perdeu a visão

>> Atingidos por balas de borrachas disparadas por policiais no Recife serão indenizados

Ainda de acordo com o blog, o policial militar que atingiu o adesivador Daniel Campelo da Silva, de 51 anos, no olho esquerdo, já teria sido identificado pela Corregedoria da SDS. Já o militar que atirou no arrumador de contêiner Jonas Correia de França, 29 anos, no olho direito, ainda não foi identificado. Todos os envolvidos são do Batalhão de Choque.

O secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, que estava no Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), onde é possível acompanhar as imagens de todas as câmeras de segurança, ainda não fez declarações oficiais sobre o ocorrido. Ainda não foi esclarecido quem deu a ordem para que os policiais atirassem contra os manifestantes, que seguiam de forma pacífica pelo centro do Recife.

Vítimas

O adesivador Daniel Campelo da Silva, 51 anos, e o arrumador Jonas Correia de França, 29, foram atingidos no rosto por balas de borracha disparadas por policiais militares. Ambos tiveram lesões permanentes. Daniel, no olho esquerdo, e Jonas, no olho direito. Os dois seguem internados no Hospital da Restauração, no bairro do Derby, na área central da capital pernambucana.

Daniel Campelo e Jonas Correia não participavam do ato, mas foram atingidos quando passavam pelo Centro do Recife.

Neste domingo (30), o governador Paulo Câmara determinou que a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) acompanhe a assistência médica aos dois homens feridos no rosto durante a manifestação do último sábado, no Centro do Recife. Além disso, o governador acionou a Procuradoria Geral do Estado para, em conjunto com a SJDH, iniciar o processo de indenização aos atingidos.


Mais Lidas