Secretário nega que exista movimento bolsonarista na Polícia Militar de Pernambuco para desestabilizar Paulo Câmara

Secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, participou de entrevista na Rádio Jornal nesta segunda-feira (31)

ATO CONTRA BOLSONARO
Secretário nega que exista movimento bolsonarista na Polícia Militar de Pernambuco para desestabilizar Paulo Câmara

Polícia Militar dispersou manifestantes que protestavam contra Bolsonaro por provocar aglomeração - Foto: Bruno Campos/ JC Imagem

Na manhã desta segunda-feira (31), o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, concedeu entrevista à Rádio Jornal para falar sobre os acontecimentos que marcaram o protesto contra Jair Bolsonaro no Recife, no último sábado (29). O principal tema da conversa foi a força fora do comum utilizada pelos policiais militares, resultando em pessoas feridas com tiros de bala de borracha.

>>>Aglomeração, violência policial e feridos: veja tudo o que aconteceu no protesto contra Bolsonaro no Recife

>>>Ato no Recife contra governo Bolsonaro gera aglomeração e é dispersado com tiros de balas de borracha pela Polícia

Questionado pelo jornalista Jamildo Melo sobre um possível movimento bolsonarista dentro da Polícia Militar em Pernambuco que teria como objetivo desestabilizar o Governo Estadual, Pedro Eurico afirmou que não acredita que isso esteja acontecendo. "Não creio isso esteja para acontecer ou esteja acontecendo em Pernambuco. Em primeiro lugar porque o chefe da polícia militar é o governador de Pernambuco. Segunda questão é que os coronéis, o comando, tem se pautado, rigorosamente, com respeito à lei. (...) Esse caso é um ponto fora da curva e vai ser investigado, doa a quem doer, custe o que custar. A sociedade merece respostas claras", disse.

Suspeitos afastados e indenização para as famílias

O secretário informou também que os suspeitos foram afastados e já existe inquérito para investigar os crimes. Eurico acrescentou que já entrou em contato com as famílias das vítimas, e que o estado pretende pagar indenização aos parentes. 

"É evidente que qualquer ação ela tem que ser moderada, ponderada e tem que buscar sempre o maior potencial possível de redução de dano. (...) A passeata vinha acontecendo de forma pacífica. O governador e o secretário de defesa social, durante três horas, acompanharam e tomaram conhecimento do andamento da passeata. E chegando na ponte Duarte Coelho, aconteceu essa episódio. (...) O governador já determinou imediatamente o afastamento dos suspeitos, foi instaurado o inquérito policial para saber o que aconteceu, como é um crime militar e ao lado disso também o inquérito da polícia civil, porque houve lesão corporal de natureza gravíssima. (...) Por outro lado, recebi uma das famílias agora pela manhã, a outra família deve chegar amanhã pela manhã. (...) Há uma decisão nossa de fazer também uma ação idenizatória pela lesão corporal"

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.