Dificuldade

Por que Lázaro Barbosa, serial killer de Brasília, ainda não foi capturado?

Já são 11 dias de buscas pelo "serial killer de Brasília", Lázaro Barbosa

Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 19/06/2021 às 14:32
Reprodução
FOTO: Reprodução
Leitura:

Após 11 dias de buscas, Lázaro Barbosa, suspeito do assassinato de uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, ainda não foi capturado. Conhecido como "serial killer de Brasília", ele é procurado em Goiás, por uma operação de mais de 200 policiais, mas a equipe tem tido dificuldade para conseguir capturá-lo.

>> 11º dia de buscas e o cerco se fecha: entenda por que secretário de Goiás espera que Lázaro Barbosa, serial killer de Brasília, seja capturado até este sábado (19)

Por que é tão difícil?

Especialistas consultados pelo SBT News apontam que alguns dos motivos que dificultam a localização do suspeito são a imprevisibilidade do tipo de patologia de Lázaro e as dificuldades logísticas das forças de segurança.

Segundo Cássio Thyone, perito criminal aposentado da Polícia Civil do Distrito Federal e membro do conselho do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, apesar das críticas da população à demora na captura de Lázaro, as forças de segurança atuam com os recursos disponíveis. Ele também destaca que Lázaro é considerado um foragido imprevisível.

A imprevisibilidade do suspeito é reforçada pelo especialista em segurança pública Leonardo Sant'Anna. "A preparação para esse tipo de evento é impossível, pois depende muito da característica do agressor. Normalmente é imprevisível, não é possível avaliar quando vão ser os surtos. Alguns tipos de patologia podem ficar inertes durante determinado tempo e aflorar em outros momentos", destaca.

Fake news

A Secretaria de Segurança de Goiás também aponta dificuldades de apuração do caso, pelo excesso de fake news. Os agentes têm recebido falsas informações sobre o suspeito, o que, segundo Miranda, tira tempo das investigações.

"É um problema sim. Não só essa fake news [de que Lázaro estaria em um cemitério], como outra de que ele já havia sido baleado, que já estava morto. Tudo isso atrapalha, porque não só a nossa Inteligência, como as unidades de operação, tem que checar. Às vezes a gente deixa de atender mais rapidamente uma informação procedente, para atender uma que não tem relevância", disse, na última 5ª feira.

>> É falso vídeo que circula no WhatsApp mostrando suposta captura de Lázaro Barbosa, o serial killer de Brasília

Mais perto de capturá-lo

Com o cerco policial se fechando, a tendência é que Lázaro sofra mais estresse, aponta Thyone. "Ele precisa dormir, se alimentar, vencer o próprio estresse psicológico. Tempo é o fator que favorece quem está tentando encontrar a pessoa e não quem está tentando fugir", complementa.

Segundo Cássio Thyone, a imprevisibilidade de Lázaro pode resultar em diferentes desfechos. "A gente não sabe qual vai ser a reação dele em um eventual momento no qual as forças de segurança o encontrarem. Ele pode desistir. Ele pode partir para o confronto. Se for pensar no que ele já fez, em relação a família feita refém em Cocalzinho de Goiás (GO), na última terça-feira (15), que foi resgatada pela polícia, ele foi para o confronto e atirou em um policial. Se ele mantiver essa tendência, infelizmente há chances de ele não ser capturado vivo".

Dificuldades de logística

A operação, que conta com agentes das polícias civil, militar, rodoviária federal e força nacional, dura dez dias. Para Leonardo Sant'Anna, é preciso haver sinergia entre as forças de segurança para solucionar o caso. "É a união entre as diferentes instituições. O perfil psicológico vem de um grupo da polícia civil, ações que devem ser feitas são definidas pela polícia militar, a parte de logística é feita pela polícia militar. São muitos agentes e a coordenação deve ser centralizada e única".

"É algo comum a dificuldade de estabelecer uma comunicação efetiva entre as pessoas da operação, o exercício efetivo do comando da operação. É difícil comandar uma operação de pessoas que não estão acostumadas a trabalhar juntas", ressalta Cássio Thyone.

As forças de segurança do DF, do Goiás, corporações federais, e agora a força nacional estão em busca de Lázaro. A operação, realizada em uma área rural, também é outro ponto que dificulta o andamento das buscas, segundo o especialista.

De acordo com Cássio Thyone, a operação de Lázaro é planejada diariamente. "As equipes recebem as informações do dia e planejam o dia seguinte. É preciso sempre rever o planejamento". Segundo o especialista, o objetivo é antecipar os passos futuros de Lázaro.

"É preciso fazer a mesma leitura que ele faria, antecipar, só assim a chance de captura é maior. Isso depende das informações buscadas também pelos núcleos de inteligência das forças". Cada uma dessas informações é utilizada para ver como ele agiu e o que poderia tentar fazer novamente.

É preciso repensar o sistema judicial

Para os dois especialistas, o caso de Lázaro mostra as falhas do sistema judicial por completo. É o que reitera Cássio. "O caso de Lázaro reflete as mazelas de todo o sistema judicial, ele é preso, depois foge, não cumpre mandato de prisão, ele muda de estado e a informação não é compartilhada".

Leonardo Sant'Anna ressalta a necessidade em se pensar problemas estruturais do sistema prisional: "É pensado primeiro a punição da pessoa e pouco a ressocialização do apenado. Há baixíssimo investimento no sistema prisional brasileiro e não há investimento na pessoa que deve ser reintegrada na sociedade de forma saudável".

Para os especialistas, após a resolução do caso, é necessário rever onde ocorreram as falhas, o que pode ter acontecido para ele chegar onde ele chegou e analisar o que aconteceu com precisão. "Tudo desemboca na segurança pública, ela é o resultado de falhas sistêmicas. Enfrentar o crime é uma das questões de segurança pública. A prevenção é mais importante do que o combate", destaca Cássio Thyone.

>> ''Serial killer de Brasília'' foi avistado duas vezes, trocou tiros com a polícia e pode estar ferido, diz secretário

>> Polícia acha carta dentro de esconderijo de Lázaro Barbosa, o serial killer de Brasília; leia o documento

>> Lázaro Barbosa: Polícia encontra vela com nome do 'Serial Killer de Brasília' e rã desossada; veja imagens

>> 'Não tenho onde socar mais meu rosto de vergonha', diz pai de Lázaro Barbosa, serial killer de Brasília

Os crimes

Lázaro é acusado de matar, a tiros e facadas, três pessoas na zona rural de Ceilândia no último dia 9 de junho. Os mortos eram Cláudio Vidal de Oliveira, de 48 anos, e os filhos Gustavo Marques Vidas, de 21 anos, e Carlos Eduardo Marques Vidal, de 15 anos.

O foragido também é apontado como responsável pelo sequestro da mulher de Cláudio, Cleonice Marques de Andrade. O corpo dela foi encontrado no dia 12 à beira de um córrego, próximo da casa onde a família morava. Na terça-feira (15), ele fez uma família refém em uma chácara e atirou em um policial, que foi atingido de raspão.

Lázaro também é investigado pela morte de um caseiro em Girassol, no dia 5 de junho, quatro dias antes do assassinato da família.

>> Terror: Moradores da região onde foi feito cerco a Lázaro Barbosa, serial killer de Brasília, relatam cotidiano de medo

>> Serial killer de Brasília pode estar ferido; veja como está o 10º dia de buscas por Lázaro Barbosa

>> Rituais e 'Satan': veja o que foi encontrado pela polícia na casa do serial killer de Brasília, Lázaro Barbosa

>> Linha do tempo do serial killer de Brasília: confira o que Lázaro Barbosa fez nesses 9 dias fugindo da polícia

Desabafo do pai

O aposentado afirmou que está "envergonhado" com os delitos que o filho cometeu. "Dizem que é filho meu, registrei, mas a própria mãe falava que ele não é filho meu. Nem ele, nem o outro, que eram dois", disse o pai de Lázaro.

O homem disse que se casou muito jovem com a mulher, na Bahia, e que ela "pegou o menino para criar" e que ele "era bandido". O casal se separou quando Lázaro ainda era criança.

"'Tá' uma revolução no país praticamente inteiro e eu não tenho onde 'socar' mais o meu rosto de vergonha. Cada crime que ele pratica é uma facada no meu coração!", afirmou o aposentado, que vive em Cocalzinho de Goiás.

>> Serial killer de Brasília: força nacional no caso, relato de refém e esposa quer ajudar a encontrar marido. Saiba o resumo do nono dia de buscas

>> Caso Lázaro Barbosa: Polícia e troca tiros e realiza cerco na busca por 'Serial killer de Brasília'

>> Companheira de Lázaro Barbosa fala sobre rituais macabros, vontade de largar o crime e fé do 'Serial Killer de Brasília'

>> Esposa de Lázaro Barbosa concede entrevista e dá detalhes sobre personalidade do 'Serial Killer de Brasília'

Quem é Lázaro Barbosa?

O homem mais procurado do Distrito Federal, atualmente, é o baiano Lázaro Barbosa Sousa, de 32 anos, nasceu no município de Barra do Mendes, na Bahia, a 500 km de Salvador. O suspeito é casado e tem dois filhos. Criado na mata, no passado, ele já ficou foragido da polícia da Bahia por 15 dias.

Em Barra do Mendes, ele cometeu ao menos dois assassinatos, depois mudou de estado para dar sequência a sua empreitada criminosa.

Lázaro Barbosa é serial killer?

Oficialmente, a polícia do Distrito Federal não trata Lázaro Barbosa de Sousa como um "serial killer". Ele é suspeito de assassinar quatro pessoas de uma mesma família, na semana passada, e está fugindo dos policiais, desde então. Na fuga, ele já trocou tiros e fez reféns. O termo "serial killer" para tratar este caso foi adotado por usuários das redes sociais, tecnicamente, de forma errada.

Confira a cobertura sobre o caso

>> Lázaro Barbosa: Veja relato de parente de família feita refém por serial killer de Brasília sobre momentos de desespero

>> Lázaro Barbosa: veja histórico de crimes do serial killer de Brasília, que fugiu da prisão na Bahia e é o mais procurado do Distrito Federal

>> Segurança Pública de Goiás atualiza situação da captura do serial killer de Brasília, Lázaro Barbosa

>> Rituais e 'Satan': veja o que foi encontrado pela polícia na casa do serial killer de Brasília, Lázaro Barbosa

>> Linha do tempo do serial killer de Brasília: confira o que Lázaro Barbosa fez nesses 9 dias fugindo da polícia

>> Serial killer de Brasília: Drone, helicóptero e 200 policiais; veja como está o 9º dia de buscas por Lázaro Barbosa

>> 'Socorro, o assassino Lázaro está aqui em casa': refém de serial killer de Brasília, Lázaro Barbosa, enviou pedido de ajuda à polícia

>> Serial killer de Brasília: dormida em árvore, cerco fechado e troca de tiros. Confira um resumo do oitavo dia de buscas

>> Vídeo mostra resgate de reféns e tiros efetuados pelo serial killer de Brasília contra polícia na mata

>> Lázaro Barbosa, o serial killer de Brasília: 'Ele está cansado, acuado e ainda mais perigoso', afirma secretário de Goiás

>> 'Não é gente. É um monstro da pior espécie', diz pai de Lázaro Barbosa sobre o filho, serial killer de Brasília

>> 'É chamado de satanista', diz polícia sobre Lázaro Barbosa, conhecido como 'serial killer de Brasília'

>> 'Serial Killer de Brasília' é suspeito de matar pai, mãe e filhos em Ceilândia e segue foragido

Mais Lidas