investigação

Covid-19: SES garante que irá investigar com prefeituras se vacinas vencidas foram aplicadas em Pernambuco

Dados do Ministério da Saúde revelam que milhares de pessoas receberam vacinas vencidas contra a covid-19 no Brasil

Publicado em 02/07/2021 às 16:38
Miva Filho/SES-PE
FOTO: Miva Filho/SES-PE
Leitura:

Após o Ministério da Saúde negar que, pelo menos 26 mil doses vencidas da AstraZeneca foram aplicadas em todo o Brasil, incluindo Pernambuco, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) se posicionou, nesta sexta-feira (02), e afirmou que vai avaliar com as prefeituras dos municípios para saber se as pessoas foram imunizadas com doses das vacinas contra a covid-19 fora da validade no Estado.

> Veja quais cidades de Pernambuco teriam recebidos lotes da vacina vencida da AstraZeneca

> Secretário de Saúde dá prazo para que toda a população receba primeira dose da vacina contra a covid-19 em Pernambuco

De acordo com o Governo de Pernambuco, até o momento, mais de 4,2 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 foram aplicadas na população e o possível erro vacinal (1.268 doses), caso tenha acontecido, representaria 0,02% do total. Em caso de vacina vencida, a orientação do Ministério da Saúde (MS) é fazer a notificação do caso no e-SUS Notifica e acompanhar o munícipe.

O que acontece se tomou vacina vencida?

Ainda na nota enviada à imprensa, o governo estadual informou que a dose vencida não é considerada válida, sendo recomendada a revacinação contra a covid-19 da pessoa com um intervalo de 28 dias.

Quem é responsável pela vacinação?

Segundo a Secretária Estadual de Saúde (SES-PE), a imunização fica a cargo dos gestores municipais. No entanto, afirmou que são repassadas as notas fiscais onde constam as informações sobre o lote e data de vencimento e que o Programa Estadual de Imunização (PNI-PE) ''reforça constantemente com as cidades a importância de manter o monitoramento dos estoques''.

> Covid-19: Pode consumir bebida alcoólica após tomar vacina da AstraZeneca?

> Saiba como identificar se vacina da Astrazeneca que você tomou estava vencida

Além disso, afirmou ''está à disposição das cidades para prestar o devido assessoramento técnico'' e ''manter diálogo e reuniões periódicas para reforçar as ações de segurança e qualificação para o processo de imunização''.

Quais lotes venceram?

A vacina da AstraZeneca, a vacina mais usada no Brasil, responde por 57% das doses já aplicadas. Os imunizantes com o prazo de validade expirado fazem parte de de oito lotes importados ou adquiridos por consórcio. Um dos lotes venceu no dia 29 de março, de acordo com a Folha de São Paulo. Veja os lotes da vacina da AstraZeneca que venceram:

  • 4120Z001 expirou em 29 de março
  • 4120Z004 expirou em 13 de abril
  • 4120Z005 expirou em 14 de abril - (70% das doses aplicadas depois da validade é desse lote)
  • CTMAV501 expirou em 30 de abril
  • CTMAV505 expirou em 31 de maio
  • CTMAV506 expirou em 31 de maio
  • CTMAV520 expirou em 31 de maio
  • 4120Z025 expirou em 04 de junho

Confira a nota da Secretaria Estadual de Saúde na íntegra:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informa que já entrou em contato com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-PE) para acionar os municípios que tiveram registro no sistema de aplicação de doses vencidas para que o gestor municipal, responsável pela aplicação das doses na população, avalie os casos, para verificar se a informação procede ou se foi erro de digitação, e faça a busca ativa das pessoas que efetivamente foram imunizadas com doses fora da validade. Destaca-se que, até o momento, Pernambuco aplicou mais de 4,2 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. O possível erro vacinal (1.268 doses), que precisa ser prontamente investigado para saber se existiu ou não, representaria 0,02% do total de doses aplicadas.

Em caso de administração de vacina vencida, a orientação do Ministério da Saúde (MS) é fazer a notificação do caso no e-SUS Notifica e acompanhar o munícipe. Essa dose não deverá ser considerada válida, sendo recomendada a revacinação do indivíduo com um intervalo de 28 dias após dose anteriormente administrada.

Frisa-se que, em cada entrega de vacina, são repassadas as notas fiscais onde constam as informações sobre o lote e data de vencimento. O Programa Estadual de Imunização (PNI-PE) reforça constantemente com as cidades a importância de manter o monitoramento dos estoques, para evitar situações como essa, além de manter diálogo e reuniões periódicas para reforçar as ações de segurança e qualificação para o processo de imunização.

É preciso destacar, ainda, que o Estado de Pernambuco montou uma operação logística para que as vacinas contra a Covid-19 pudessem chegar rapidamente aos municípios, já que a imunização fica a cargo dos gestores municipais. Desde o início da campanha, em 18 de janeiro, o Estado tem entregue as vacinas em até 24 horas após a chegada no Programa Estadual de Imunização.

Por fim, a SES-PE ratifica a importância dos gestores municipais ficarem atentos às orientações e aos documentos técnicos relacionados à campanha e que está à disposição das cidades para prestar o devido assessoramento técnico.

Confira a nota do Ministério da Sáude na íntegra:

Ministério da Saúde informa que nenhuma dose de vacina é entregue aos estados e Distrito Federal vencida. A pasta acompanha rigorosamente todos os prazos de validade das vacinas Covid-19 recebidas e distribuídas pela pasta. Conforme pactuado com Conass e Conasems, as doses entregues para as Centrais Estaduais devem ser imediatamente enviadas aos municípios pelas gestões estaduais. Cabe aos gestores locais do SUS o armazenamento correto, acompanhamento da validade dos frascos e aplicação das doses, seguindo à risca as orientações do Ministério.

Segundo a orientação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), caso alguma vacina seja administrada após o vencimento, essa dose não deverá ser considerada válida, sendo recomendado um novo ciclo vacinal, respeitando um intervalo de 28 dias entre as doses. O vacinado deverá ser acompanhado pela Secretaria de Saúde local.

Mais Lidas