O que fazer quando a vacina contra covid-19 da AstraZeneca dá reação?

A vacina AstraZeneca contra a covid-19 começou a ser aplicada no Brasil em janeiro de 2021 e é o imunizante mais utilizado no país contra a doença

IMUNIZAÇÃO
O que fazer quando a vacina contra covid-19 da AstraZeneca dá reação?

Vacina AstraZeneca - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Atualizada às 18h41

No Brasil, a vacina AstraZeneca, que no país é produzida pela Fiocruz, é a mais aplicada na população desde o início da campanha de vacina contra covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde. No entanto, o imunizante tem sido alvo de queixas das pessoas imunizantes por conta das reações adversas

Quais são os efeitos colaterais mais comuns e quanto tempo duram?

A vacina AstraZeneca contra a covid-19 estimula as defesas naturais do corpo (sistema imune). Isso faz com que o
corpo produza sua própria proteção (anticorpos) contra o vírus Sars-CoV-2, causador da doença. No entanto, nenhum dos ingredientes dessa vacina pode causar a covid-19, revela a bula do imunizante.

Os dados apresentados nos estudos clínicos de fase 3 da vacina mostram que os efeitos colaterais normalmente aparecem em um período de até dois dias após a vacinação.  

 

>> AstraZeneca, Pfizer, Janssen ou CoronaVac: saiba o que pode acontecer se você "escolher” vacina contra covid-19

>> Vacinas da Pfizer e AstraZeneca têm eficácia contra variante Delta do coronavírus; veja o risco da cepa

>> Por que a vacina da Pfizer é a preferida dos brasileiros? Ela tem maior eficácia contra a covid-19?

 

Os efeitos colaterais que ocorreram durante os estudos clínicos com a vacina covid-19 (recombinante) foram:

Muito comum (pode afetar mais de 1 em cada 10 pessoas)

  • Sensibilidade, dor, sensação de calor, coceira ou hematoma (manchas roxas) onde a injeção é
  • administrada
  • Sensação de indisposição de forma geral
  • Sensação de cansaço (fadiga)
  • Calafrio ou sensação febril
  • Dor de cabeça
  • Enjoos (náusea)
  • Dor nas articulação ou dor muscular

Comum (pode afetar até 1 em cada 10 pessoas)

  • Inchaço, vermelhidão ou um caroço no local da injeção
  • Febre
  • Enjoos (vômitos) ou diarreia
  • Sintomas semelhantes aos de um resfriado como febre acima de 38 °C, dor de garganta, coriza (nariz escorrendo), tosse e calafrios.

Incomum (pode afetar até 1 em cada 100 pessoas)

  • Sonolência ou sensação de tontura
  • Diminuição do apetite
  • Dor abdominal
  • Linfonodos (ínguas) aumentados
  • Sudorese excessiva, coceira na pele ou erupção na pele

Muito raro

  • Coágulos sanguíneos importantes em combinação com níveis baixos de plaquetas no sangue (trombocitopenia) foram observados com uma frequência inferior a 1 em 100.000 indivíduos vacinados.

O que fazer?

O médico Eduardo Jorge, representante da Sociedade Brasileira de Imunizações no Comitê Técnico Estadual para Acompanhamento da Vacinação contra a Covid-19, orienta que quem sentir os sintomas "pode tomar algum remédio para febre ou parar dor, como paracetamol ou dipirona”.  

Em caso de reações adversas, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disponibiliza um canal para notificação dos eventos. Basta clicar aqui para acessar.

 

>> Covid-19: Amupe garante que nenhum município de Pernambuco aplicou vacina vencida

>> Trombose: gestantes que já receberam primeira dose da AstraZeneca devem ser tranquilizadas, defende epidemiologista

>> Vacinação com AstraZeneca em grávidas é suspensa em Pernambuco

 

A Fiocruz orienta que se o paciente identificar qualquer efeito colateral não mencionado na bula da vacina, é importante informar ao profissional de saúde.

Por que é importante tomar a segunda dose? 

De acordo com a Fiocruz, a segunda dose do imunizante pode ser administrada em um intervalo de quatro a 12 semanas (entre 30 e 90 dias) após a primeira dose. Recentemente, alguns estados e municípios anunciaram a antecipação da dose de reforço para 60 dias. Antes o intervalo era de 90 dias. A mudança não compromete a eficácia da vacina. 

O medo das reações adversas pode afastar aqueles que já tomaram a primeira dose. Em entrevista ao Consultório do Rádio Livre, nesta segunda-feira (12), o doutor em biotecnologia Marx Lima é direto ao apontar que só uma dose da AstraZeneca não é suficiente para proteger contra a covid-19. "A resposta direta é não. A pessoa que tomou só uma dose da vacina não está completamente imunizada, a não ser que a vacina seja de dose única, como é o caso da Janssen. Para a AstraZeneca (...) o esquema vacinal só é completado com a segunda dose", explicou. "Agora temos um outro problema que é a variante Delta. Com uma dose, nenhuma vacina é eficiente contra ela. Precisamos da segunda dose para poder lutar contra essa variante", completou. 

Ouça o programa completo:

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.