Rebeca Andrade: biografia, infância pobre, cirurgias, idade e altura; veja quem é a ginasta brasileira que arrasa nas Olimpíadas de Tóquio

Rebeca Andrade faz apresentação na manhã desta quinta-feira (29) e há grande expectativa de que ela suba ao pódio

OLIMPíADAS DE TóQUIO
Rebeca Andrade: biografia, infância pobre, cirurgias, idade e altura; veja quem é a ginasta brasileira que arrasa nas Olimpíadas de Tóquio

Rebeca Andrade ganhou medalha de prata nas Olimpíadas de Tóquio - Foto: Reprodução

Rebeca Andrade fez história! A ginasta fez toda a torcida brasileira vibrar ao som de "Baile de Favela" e venceu a medalha de prata na individual geral da ginástica nas Olimpíadas de Tóquio, na manhã desta quinta-feira. Aos 22 anos, ela tem uma história de vida emocionante. Começou treinando em um projeto social do interior paulista, chegou a andar por duas horas para chegar aos treinos e superou três cirurgias. Reveja a apresentação que consagrou a brasileira clicando aqui.

Rebeca Andrade começou a treinar aos quatro anos no Ginásio Bonifácio Cardoso, da prefeitura de Guarulhos, em São Paulo. Lá, ela ficou conhecida como a "Daianinha de Guarulhos", uma referência à ídola Daiane dos Santos. "A Rebeca desde pequena sempre foi muito travessa, tudo que ela fazia era pulando, ela levava muito jeito para a coisa, mas eu não tinha muita noção de como funciona as coisas, onde tinha ginásio", contou a mãe da ginasta, Rosa Rodrigues, de 51 anos, ao G1. 

 

>>> Reveja a apresentação de Rebeca Andrade nas Olimpíadas de Tóquio aqui.

>>> LEIA MAIS: Saiba quantas medalhas o Brasil já ganhou nas Olimpíadas de Tóquio.

 

Vida pessoal e família

Rebeca tem sete irmãos. A família teve dificuldades para manter o sonho da ginasta. ""No começo, eu trabalhava como empregada doméstica, então estava tudo certo. Mas teve uma época que as contas apertaram, e ela teve que parar de treinar por falta de condições financeiras. Mas quando retornou, não parou mais. Ia de ônibus e, quando não tinha dinheiro, ia a pé, mesmo com a distância do local do treino — cerca de 2 horas a pé", contou a mãe de Rebeca.

Com dificuldades financeiras, Rebeca chegou a parar de treinar por um período, mas os técnicos organizaram um esquema de rodízio para levar a menina aos treinos. Depois, um dos irmãos de Rebeca, Emerson Rodrigues, que hoje está com 30 anos, comprou uma bicicleta para levar a irmã aos treinos. 

Rebeca Andrade conquistou a primeira medalha olímpica brasileira na ginástica
Rebeca Andrade conquistou a primeira medalha olímpica brasileira na ginástica
Ricardo Bufolin/CBG

"No começo, ele levava ela a pé, mas teve a ideia de comprar a bicicleta em uma fábrica de reciclagem. Ela tinha entre 6 e 7 anos, e ele, cerca de 15", lembra a mãe. Nos dias de treino, o irmão de Rebeca realizava apenas uma refeição por dia. "Ela almoçava no ginásio por ser atleta, depois disso os dois iam para a escola, ele não conseguia chegar a tempo de comer no local, só a noite, depois que chegava em casa". Após a vitória da filha nas Olimpíadas, dona Rosa declarou à TV Globo: "é prata com gosto de ouro".


DADOS DE REBECA ANDRADE:

  • PRATA NA INDIVIDUAL GERAL DA GINÁSTICA NAS OLIMPÍADAS DE TÓQUIO
  • 22 ANOS DE IDADE
  • 1,54 METROS DE ALTURA
  • TREINA NO FLAMENGO
  • PRATA NAS BARRAS ASSIMÉTRICAS NA COPA DO MUNDO DE GINÁSTICA
  • BRONZE NA TRAVE NA COPA DO MUNDO DE GINÁSTICA
  • 11º LUGAR NO INDIVIDUAL GERAL DA RIO 2016
  • 8º LUGAR NA COMPETIÇÃO POR EQUIPE DA RIO 2016.
  • JÁ SUPEROU TRÊS CIRURGIAS


Daianinha de Guarulhos

A ginasta começou a treinar após uma tia, que trabalhava na Prefeitura, descobrir que havia vagas abertas para a ginástica em um projeto social da cidade. Depois, ela foi descoberta por Mônica Barroso dos Anjos, que é técnica da equipe de Guarulhos e árbitra internacional. 

"Me lembro que peguei na mãozinha dela e perguntei: 'Quer fazer o teste?'. Pedi para que ela pulasse no tablado e na hora eu brinquei: 'Uau! essa é a futura Daiane dos Santos!'. Depois pedi para ir para a barra, abrir espacate, dar estrelinha. Eu, que trabalho há muito tempo na área, já via que ela levava jeito, era veloz, explosiva, tinha o biotipo com muito músculo, bem definida.", contou a treinadora ao G1.

Finais

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.