MEIO AMBIENTE

Rio Capibaribe corre o risco de secar? Estudo mostra que o Brasil está ficando mais seco


Rio Capibaribe banha Pernambuco e é um dos principais símbolos do Recife

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 23/08/2021 às 12:06
Tião Siqueira/ JC Imagem
FOTO: Tião Siqueira/ JC Imagem
Leitura:

Um estudo do MapBiomas Água aponta que o Brasil está ficando mais seco desde 1991. De acordo com a pesquisa, até 2020, o país perdeu 15,7% da superfície de água que tinha. A situação é mais dramática no Pantanal, com redução de 74% da água. Em entrevista ao Passando a Limpo, nesta segunda-feira (23), o professor do Departamento de Oceanografia da UFPE e coordenador geral da Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais, Moacyr Araújo, falou sobre a situação.

"Essa é uma constatação para lá de alarmante. O que temos observado é uma dificuldade muito grande do sistema natural de renovar sua característica de hidrologia, ou seja, as chuvas. Isso acontece muito por conta do grande desmatamento que temos visto na parte sudeste do Amazonas, na região que faz intercâmbio com o Pantanal", explicou. "A partir do momento em que nós devastamos a floresta a gente deixa de alimentar a atmosfera com as chuvas que cairiam no nosso Pantanal e no sudeste brasileiro", completou.

Rio Capibaribe

Um dos principais símbolos do Recife, o Rio Capibaribe banha o Estado de Pernambuco. Professor Moacy acredita que não há risco de o rio secar, mas é importante cuidar. “Eu acho que não, mas nada melhor do que nós fazermos o dever de casa. Precisamos reforçar as nascentes de nossos rios, aquelas matas que protegem os rios e eu acho que isso é necessário para que a gente mantenha os nossos rios vivos. Isso é fundamental. O Beberibe é um rio essencialmente urbano, hoje em dia, e o Capibaribe também. Nós precisamos cada vez mais estar atentos porque eles fazem toda a evapotranspiração dos manguezais”, detalhou.

Ainda de acordo com o especialista, preservar o meio ambiente, atualmente, também é uma medida importante para a economia. “Hoje em dia nós conversamos muito sobre uma economia verde. Não existe mais aquela dicotomia entre ou você faz o desenvolvimento econômico ou protege a natureza. Isso é coisa do passado. Proteger a natureza dá muito dinheiro, hoje em dia”, afirmou.

Ouça a entrevista completa:


Mais Lidas