PANDEMIA

Covid-19: Longo diz que aglomerações em Pernambuco preocupam e lembra que Estado e municípios devem reforçar fiscalizações


Secretário estadual de Saúde, André Longo, também reforçou a importância da população fazer o teste da covid-19 em caso de sintomas

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 30/08/2021 às 11:30
Divulgação/ SES
FOTO: Divulgação/ SES
Leitura:

O secretário estadual de Saúde, André Longo, concedeu entrevista à Rádio Jornal nesta segunda-feira (30) e falou que alguns serviços da rede privada relataram uma maior procura nas últimas duas semanas pelas emergências de pacientes com sintomas respiratórios, mas que o cenário não foi observado no serviço público.

“A gente tem acompanhado esses números com um olhar de lupa sob todos os aspectos das ocorrências, tanto no setor público quanto privado. Houve, nas últimas semanas, uma redução expressiva de pessoas internadas (...) Alguns serviços privados relataram uma maior procura nas últimas duas semanas pelas emergências. A gente não viu isso no serviço público. A gente está em alerta permanente para observar essas situações e obviamente a positividade [para a covid-19]”, disse.

No entanto, ele diz que é comum o aumento de doenças respiratórias neste período do ano. “Essas semanas que a gente está vivendo agora normalmente, mesmo em tempos sem pandemia, têm uma maior ocorrência de doenças respiratórias. Não circula só o Sars-CoV-2, circulam outros vírus também”, destacou o secretário.

Aglomerações

O secretário voltou a pedir que a população respeite os protocolos sanitários contra a covid-19 e reclamou das aglomerações. “A pandemia não acabou. É preciso manter os cuidados. Nos preocupam muito as cenas de aglomeração desorganizada (...) A gente precisa reforçar na população a mensagem do cuidado, de que o vírus está circulando”, afirmou, acrescentando que também é importante um reforço nas fiscalizações, tanto por parte dos municípios quanto do Estado.

Testagem

O governador Paulo Câmara lançou, no dia 18 de agosto, o TestaPE – programa de testagem em massa da população para detecção da covid-19. A iniciativa visa testar 10% da população do Estado, nos próximos seis meses, reforçando a vigilância do novo coronavírus no território para rastrear e isolar casos ativos da doença. Estão sendo investidos R$ 7,6 milhões na compra de 1.090.713 testes de antígeno para ampliação da oferta de exames em locais estratégicos nos municípios.

“Testar continua sendo fundamental. É óbvio que se tivéssemos os insumos necessários, os testes antes teriam sido melhor. Nós esperamos pelo Ministério da Saúde, que não forneceu os testes que prometeu, especialmente o teste de antígeno, que é oferecido em farmácias e é rápido. É muito bom porque a pessoa em 20 a 30 minutos já tem o resultado”, comentou. “Qualquer pessoa que tiver sintoma deve procurar a secretaria municipal, os postos de saúde, e ser testada”, completou.

Ouça a entrevista completa:


Mais Lidas