análise

Veja fotos dos objetos da pré-história encontrados em estômago de crocodilo e saiba a origem dos itens


Os artefatos estavam dentro do animal e especialistas analisaram as peças

Com informações da CNN
Com informações da CNN
Publicado em 16/09/2021 às 19:36
Reprodução/CNN
FOTO: Reprodução/CNN
Leitura:

O fato de descobrir artefatos pré-históricos já é algo incrível. Imagine encontrar dentro da barriga de um crocodilo enorme? Pode ser considerado um feito único. Foi o que aconteceu com Shane Smith, proprietário da Red Antler Processing em Yazoo City. Ele estava cavando o estômago de um crocodilo de 5 metros, em Mississípi, nos Estados Unidos, quando encontrou alguns itens de milhares de anos. Veja a imagem abaixo e, em seguida, a origem dos artefatos descobertos:

Um prumo à esquerda e uma “ponta de dardo atlatl” foram encontrados dentro de um crocodilo.
Um prumo à esquerda e uma “ponta de dardo atlatl” foram encontrados dentro de um crocodilo.
Reprodução/CNN

Quem eram os ''donos''?

O crocodilo havia sido levado para o preparo da carne e pele, mas o destino quis um caminho diferente. Os objetos encontrados são de nativos americanos, de acordo com Shane Smith, após afirmar que fez consultou um especialista para descobrir a origem dos artefatos, pois não conseguia identificar. ''Meu primeiro instinto foi pensar ‘de jeito nenhum’. Não há como isso ser possível'', afirmou Smith em entrevista à CNN.

Qual a origem?

Depois de olhar as fotos e com base na pesquisa de artefatos nativos americanos encontrados no Delta do Mississípi, o geólogo James Starnes afirmou que os objetos são feitos de metal e é uma lança ou dardo usado para caça. A peça, na visão dele, parece ser do final do período cultural arcaico, que foi de 1000 a 2000 A.c, indicou Starnes.

O geólogo também afirmou que o uso de pedra era popular no período arcaico ''Tivemos habitantes nativos americanos na América do Norte, especialmente no Mississípi, provavelmente remontando a mais de 12.000 anos. Essa tecnologia era a que eles teriam trazido consigo'', explicou James Starnes.


Mais Lidas