ECONOMIA

Fim do carro popular? Entenda por que os veículos estão tão caros e veja os preços dos mais vendidos

Oferta de carro popular tem diminuído com o tempo

Com informações do JC Online
Com informações do JC Online
Publicado em 22/09/2021 às 18:25
Silvio Menezes/ Carro Arretado
FOTO: Silvio Menezes/ Carro Arretado
Leitura:

A procura por um carro popular com preço acessível tem sido um desafio para condutores. Especialistas apontam que De acordo com a KBB Brasil, o preço médio dos dez carros mais vendidos do Brasil atualmente é 189,6% maior do que uma década atrás. Segundo matéria de Edilson Vieira, titular da coluna Consumidor, do Jornal do Commercio, a inflação oficial acumulada no mesmo período foi de aproximadamente 76,7%.

De acordo com a publicação, a alta dos carros 0 km é motivada, entre outros motivos, pela falta do produto no mercado. A Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea) mostra que, este ano, a falta de componentes eletrônicos reduziu a produção em 300 mil veículos no primeiro semestre (22%), se comparado ao mesmo período de 2019 (antes da pandemia), ocasionando a falta de carros em estoques nas lojas e o aumento na espera para receber o carro novo, que pode chegar a seis meses. A alta demanda puxou os preços para cima. A média de reajuste dos 10 carros mais baratos do país foi de 11% nos seis primeiros meses de 2021.

Preferência por modelo do carro mudou

Outra mudança determinante que colaborou para a valorização do carro novo foi a preferência dos compradores por modelos maiores e mais robustos. De acordo com o ranking dos modelos mais vendidos da Fenabrave, entidade que reúne as concessionárias, em 2011, todos os veículos listados da primeira à décima posição pertenciam às categorias compactas de entrada (hatch ou sedã).

Atualmente o cenário é outro. Dos 10 carros mais vendidos em agosto, cinco eram SUVs, veículos utilitários com preços a partir de R$ 100 mil. O VW Gol, que liderou esse ranking por 27 anos, hoje aparece em décimo lugar.

Veja abaixo a lista dos carros mais vendidos há dez anos e atualmente:

Os 10 mais vendidos em 2011:

  • VW Gol R$ 34.098,00
  • Fiat Uno R$ 31.543,00
  • Chevrolet Celta R$ 24.735,00
  • VW Fox R$ 39.257,00
  • Fiat Palio R$ 33.260,00
  • Fiat Siena R$ 39.262,00
  • VW Voyage R$ 39.475,00
  • Ford Fiesta R$ 30.123,00
  • Renault Sandero R$ 35.520,00
  • Chevrolet Classic R$ 26.000,00

Preço médio R$ 33.327

Os 10 mais vendidos em 2021:

  • Fiat Argo R$ 79.677,00
  • Hyundai HB20 R$ 78.447,00
  • Fiat Mobi R$ 53.472,00
  • Jeep Renegade R$ 146.000,00
  • Jeep Compass R$ 187.190,00
  • Chevrolet Onix R$ 78.566,00
  • VW Gol R$ 68.350,00
  • Hyundai Creta R$ 117.850,00
  • VW T-Cross R$ 106.394,00
  • Renault Kwid R$ 49.335,00

Preço médio R$ 96.528

Fim do carro popular?

Ao colunista Edilson Vieira, o consultor automotivo Alexandre Costa, diretor da Alpha Consultoria, avaliou que o fim do carro popular já foi decretado. Ele aponta o que levou ao motivo. "Se a gente pensar como o carro popular era no início, eram modelos muito básicos. O Fiat Uno dos anos 90 não tinha nem espelho retrovisor do lado direito e nem encosto de cabeça nos bancos. Por conta da legislação que obriga as fábricas produzirem carros mais seguros, hoje eles contam com airbags e freios eletrônicos antitravamento. Até 2024,todos os carros produzidos aqui terão que incorporar o controle eletrônico de estabilidade, isso é mais custo. Hoje, mesmo que o mercado ofereça carros sem ar condicionado, qual pessoa física vai fazer tal escolha? o modelo básico mais barato é vendido para empresas", afirmou.

Para Alexandre Costa, que também é especialista em análise de mercado, existe outro motivo para o carro no Brasil ser tão caro. "A carga tributária da indústria automotiva é alta? Sim, é. Mas enquanto houver consumidores dispostos a pagar caro por um carro novo, o preço vai continuar elevado", disse.

O especialista ainda revelou que a indústria automotiva mudou com a pandemia e com a dificuldade imposta pelo mercado, é mais vantajoso produzir carros com alto valor agregado. "Por que gastar energia produzindo modelos menores e mais simples se é possível produzir menos unidades de carros maiores, mais sofisticados e mais caros? A Jeep, por exemplo, é um sucesso de vendas com carros que custam a partir de R$ 93 mil e chegam a quase R$ 300 mil", finalizou.

Mais Lidas