Caso Henry Borel

Henry Borel: audiência do caso começa nesta quarta; confira o que Ministério Público vai dizer para tentar condenação de mãe e padrasto


Henry Borel, de 4 anos, foi morto no dia 8 de março

Gabriel dos Santos Araujo Dias
Gabriel dos Santos Araujo Dias
Publicado em 06/10/2021 às 10:17
TV Globo/Reprodução
FOTO: TV Globo/Reprodução
Leitura:

Sete meses após o crime que fez o Brasil chorar, a Justiça começa a ouvir depoimentos de testemunhas no processo contra o ex-vereador do rio Jairo Souza dos Santos Júnior, o Dr. Jairinho, e Monique Medeiros. Eles são acusados de matar o pequeno Henry Borel, de 4 anos. O menino era filho de Monique e enteado de Jairo.

A audiência de instrução acontece no 2º Tribunal do Júri do Rio de Janeiro com a presença de Monique. Jairo vai participar a distância, por orientação da própria defesa. Os dois respondem por homicídio triplamente qualificado, tortura e coação de testemunhas.

O que diz o Ministério Público?

O Ministério Público, que é responsável pela denúncia e acusação contra Monique e Jairo, trabalha com a tese de que o ex-vereador matou o menino por sadismo. Já Monique, encontrava vantagens financeiras em manter o relacionamento com o ex-namorado, apesar de saber das agressões que o filho sofria.

"A qualificadora do crime de Jairinho é o sadismo, a satisfação, o prazer em machucar Henry e outras crianças. Já o motivo da Monique é se beneficiar da vantagem financeira nessa situação", contou ao UOL, o promotor de Justiça Fábio Vieira.

Morte de Henry

As investigações apontam que Henry foi espancado até a morte por Jairo, no apartamento onde a criança morava com os dois adultos, em um condomínio de luxo no Rio de Janeiro. Inicialmente, o casal disse aos médicos do hospital que o menino havia caído da cama, mas a perícia identificou diversas fraturas que afastaram a hipótese de que a queda de uma altura tão baixa fosse capaz de matar o menino.

Apesar disso, a defesa de Jairo diz que a acusação é uma conspiração contra o ex-vereador. "Foi uma morte não desejada e imprevisível. Vamos desconstruir essas provas e mostrar que são irregulares", afirmou ao UOL o advogado Braz Sant'Anna.

Por outro lado, a defesa de Monique adiantou que a mãe de Henry deve dar uma nova versão dos fatos. "Ela precisa e quer falar o que aconteceu. Essa é a primeira vez que ela vai ter essa oportunidade. No primeiro depoimento, ela estava protegendo Jairinho, agora a história vai ser a verdadeira", disse Thiago Minagé.

Os dois começaram a namorar em outubro de 2020. Em novembro, foram morar juntos. Monique, que era diretora de uma escola com salário de R$ 4 mil, passou a ganhar R$ 11 mil, em um cargo no Tribunal de Contas do Município, por indicação de Jairo.


Mais Lidas