Caminhoneiros

Governo Bolsonaro desmarca reunião sobre paralisação dos caminhoneiros: 'Encomendando' greve, diz deputado

Governo Bolsonaro desmarca reunião com caminhoneiros sobre paralisação e troca críticas com grupo

Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 25/10/2021 às 6:46
Thomaz Silva/Agência Brasil
FOTO: Thomaz Silva/Agência Brasil
Leitura:

Após confirmar reunião com o deputado Nereu Crispim (PSL-RS), presidente da Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas, e representantes dos caminhoneiros, para a próxima quinta-feira (28), a Secretaria Especial de Articulação Social do Governo Federal desmarcou. De acordo com o jornal Folha de São Paulo, a alegação foi de que havia sido veiculado na imprensa que ministros estariam presentes, o que não seria verdade.

>> Caminhoneiros: auxílio de Bolsonaro, possibilidade de greve e paralisações; veja últimas notícias

Governo está 'encomendando a paralisação'

"Em razão das notícias veiculadas na imprensa de que a reunião seria realizada com a participação de Ministros de Estado, o que não se coaduna com o convite enviado, esta Secretaria Especial de Articulação Social informa o cancelamento da reunião do dia 28", diz mensagem enviada a Crispim pela chefe de gabinete do órgão que compõe a Secretaria de Governo.

>> Fim da greve dos caminhoneiros hoje? Distribuição de combustíveis é afetada em alguns locais

>> Ainda vai ter greve dos caminhoneiros? Veja como a categoria reagiu ao anúncio de Bolsonaro

Crispim, que diz ser o deputado mais leal ao governo em votações de pautas econômicas, afirma que o governo Jair Bolsonaro está encomendando a paralisação de 1º de novembro, e que não há previsão de novos encontros para negociação.

Sobre o governo

A avaliação no Palácio é a de que Crispim tenta se promover às custas do governo e que, por isso, tornou pública a reunião e disse que ministros participariam. Diante disso, decidiram interromper a interlocução com ele.

No entanto, lideranças dos caminhoneiros, como Wallace Landim, o Chorão, líder da greve de 2018, apontam Crispim como o negociador parlamentar da categoria.

Crispim diz ao Painel que Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes, da Economia, hoje "só trabalham para banqueiro e investidor da Bolsa de Valores". "Os R$ 400 que eles estão oferecendo é esmola para o caminhoneiro", completa, em referência ao auxílio que Bolsonaro prometeu criar para a categoria.

Crispim também afirma que os caminhoneiros não querem mais conversar com o ministro Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura, principal interlocutor da categoria até o momento.

"A única pessoa que não queremos que participe de uma reunião com caminhoneiros é ele. Não fez nenhuma entrega por caminhoneiros autônomos. Fazemos questão de que não participe. Ele se dizia autorizado pelo governo para tocar essas pautas e nunca resolveu nada, desde 2018. Sempre conversa fiada", diz o parlamentar.

Mais Lidas