segurança

Quase 600 crianças e adolescentes foram mortos de forma violenta em Pernambuco, em 2020


Dados sobre mortes de crianças e adolescentes são do Unicef e Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 26/10/2021 às 18:04
Arquivo/Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
FOTO: Arquivo/Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
Leitura:

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública alertam que 589 crianças e adolescentes foram mortos de forma violenta em Pernambuco, em 2020.

No cenário nacional, o quadro é desolador. Entre 2016 e 2020, 35 mil crianças e adolescentes de 0 a 19 anos foram mortos de forma violenta no Brasil. Foram cerca de sete mil mortes por ano.

Conforme mostram os números, essa violência se dá de forma diferente de acordo com a idade da vítima. As crianças morrem, com frequência, por violência dentro de casa, praticada por uma pessoa conhecida. O mesmo vale para a violência sexual.

A violência letal, nos estados com dados disponíveis para a série histórica, teve um pico entre 2016 e 2017, e vem caindo, voltando aos patamares dos anos anteriores. No entanto, o número de crianças de até 4 anos vítimas de violência letal aumenta.

O que fazer?

Denis Larsen, que é coordenador do Unicef para o Semiárido e chefe do escritório do Recife, avalia a situação e o que pode ser feito para mudar essa triste realidade. “Precisamos que todo mundo que trabalha com crianças e adolescentes, por exemplo, na escola, num serviço de assistência social, no setor de saúde, todos identificam imediatamente quando há uma violência e ajudam a denunciar. Tem que existir uma colaboração entre todos os adultos responsáveis para que [a violência] não fique escondida”, comentou.

Ouça a entrevista completa:


Mais Lidas