PAULINHA ABELHA

PAULINHA ABELHA: morte da cantora pode resultar em pena por homicídio e estelionato


Após morte de Paulinha Abelha, pena pode resultar em homicídio e estelionato; entenda

Flávio Oliveira
Flávio Oliveira
Publicado em 10/03/2022 às 10:25
Notícia
Reprodução/Instagram
Paulinha Abelha, do Calcinha Preta, faleceu aos 43 anos. Sua morte pode resultar em pena por homicídio e estelionato - FOTO: Reprodução/Instagram
Leitura:

A morte da cantora Paulinha Abelha, que era vocalista da banda Calcinha Preta, pegou de surpresa quem acompanhava a trajetória do grupo.

Isso porque a cantora faleceu de forma repentina, aos 43 anos. A morte de Paulinha foi envolvida em mistério, sem motivo nítido, o que despertou a curiosidade de muitos.

 

Na última semana, um receituário médico revelou que Paulinha Abelha fazia uso de 17 substância. A maioria delas para emagrecimento.

Depois dessa descoberta, é possível que a morte de Paulinha possa resultar em pena por homicídio e estelionato caso seja identificado um suposto responsável.

Pena por morte de Paulinha Abelha

Na teoria, é possível que profissionais (sejam eles qualificados ou não) prescreveram substâncias encontradas no corpo de Paulinha Abelha.

Caso sejam identificados responsáveis pela morte de Paulinha, em uma possível relação com o uso de substâncias, penas são previstas no Código Penal.

O profissional que comprovadamente prescreveu o consumo de substância para Paulinha pode sofrer pena por homicídio, após processo legal.

Vídeo de Daniel Diau, da Calcinha Preta, cantando 'Paulinha' viraliza nas redes sociais

Isso está previsto no art. 121 do Código Penal (CP), com pena de reclusão, de seis a vinte anos. Mesmo sem a intenção de matar, a justiça brasileira costuma manter a sua condenação.

Com o Juiz considerando a morte de Paulinha de forma culposa (negligência, imprudência ou imperícia), há diminuição da pena para um a três anos.

Além disso, também é possível a condenação no art. 132 (CP), que trata de Periclitação de Vida ou Saúde, com pena de detenção de três meses a um ano.

Outras penas

Caso a Justiça entenda que a atitude de quem prescreveu as substâncias foi para obter vantagem ilícita, pode haver condenação em estelionato (art. 171, CP).

Nesse caso, a pena seria de reclusão, de um a cinco anos, e multa. 

Já aqueles que descumprem os limites de sua profissão ou fazem exercício ilegal, no caso de prescrever substâncias indevidas a Paulinha, podem sofrer pena de detenção de seis meses a dois anos, conforme art. 282 do Código Penal.

Com informações do Diário do Nordeste 

Comentários

Mais Lidas