UBER

UBER: Mega-vazamento revela escândalo criminoso da empresa; entenda

Investigação analisa vazamento de documentos da empresa Uber

Luana Simões
Luana Simões
Publicado em 12/07/2022 às 11:30
ILUSTRATIVA/PEXELS
Imagem ilustrativa; uber; motorista de aplicativo - FOTO: ILUSTRATIVA/PEXELS
Leitura:

A Uber é uma empresa multinacional que conquistou o mercado com serviços eletrônicos na área de transporte privado urbano.

Segundo dados da própria empresa, há cerca de 120 milhões de usuários atualmente e 1 milhão de motoristas parceiros.

Veja também: Projeto de Lei busca aumentar pagamento de motoristas de aplicativo

No entanto, essa frenética expansão global pode ter sido por meio de táticas antiéticas e até criminosas.

Entenda mais sobre o caso a seguir:

REVELAÇÕES DO VAZAMENTO DA UBER

Um compilado de documentos confidenciais da Uber foi vazado, inicialmente, para a equipe de investigação do jornal britânico The Guardian. Agora, os arquivos estão compartilhados no Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ).

Nomeada de "Uber Files", em português "Arquivos da Uber", esses documentos apontam estratégias questionáveis e potencialmente criminosas que os representantes da empresa usaram para expandir a plataforma no mercado internacional.

Ao todo, foram vazados 124 mil documentos de 2013 a 2017. Neles, estão inclusos trocas de mensagens de texto e e-mail de diversos representantes executivos da corporação.

Veja também: Polícia divulga medidas de segurança para evitar golpes durante uso do transporte por aplicativo

Nesse período de cinco anos, a Uber era administrada por um dos fundadores Travis Kalanick, que tentou forçar o serviço de transporte em várias cidades ao redor do mundo, mesmo que isso significasse violar leis locais e regulamentos de táxi.

Em 2017, Kalanick deixou o posto de presidente em meio a denúncias de assédio sexual, demissão de executivos, acusações de roubo de propriedade intelectual e enfrentamento com autoridades ao redor do mundo.

Os dados vazados revelam como a empresa tentou alcançar apoio subornando discretamente primeiros-ministros, presidentes, bilionários e grandes corporações midiáticas. Joe Biden, quando era vice-presidente dos Estados Unidos, e Emmanuel Macron, quando era ministro da Economia da França, foram alguns desses nomes.

A Uber teria, inclusive, criado uma técnica para esconder e se livrar de informações caso algum escritório fosse investigado.

Até o momento, o pronunciamento da Uber foi afirmar que a nova gestão de Dara Khosrowshahi é a que reflete a ética da empresa e que não vai se desculpar por erros do passado que "não estão alinhados com valores atuais".

Mais Lidas