Vacinação contra covid-19: "Gostaríamos que pudesse se concretizar a partir da próxima semana", diz Longo

O secretário estadual de Saúde, André Longo, falou sobre expectativas e planejamentos para a vacinação contra a covid-19 (novo coronavírus), em Pernambuco

PASSANDO A LIMPO
Vacinação contra covid-19:

Covid-19: André Longo fala sobre plano de vacinação em Pernambuco, no Passando a Limpo - Foto: Hélia Scheppa/SEI

O secretário Estadual de Saúde, André Longo, falou, nesta quarta-feira (13), sobre as expectativas e planos para a vacinação contra a covid-19 (novo coronavírus) no Estado.

Segundo ele, a expectativa é de que a vacinação comece logo. "A gente tem a confiança de que, tão logo seja aprovado, não tem por que não ter a disponibilização para o Estado, imediatamente depois disso. Nós gostaríamos que isso pudesse se concretizar a partir da próxima semana", afirmou.

 

>> Vacina contra a covid-19: veja qual a documentação necessária para se imunizar

>> Vacina contra covid-19: Pernambuco inicia distribuição de mais de 1,5 milhão de seringas

>> Coronavac: João Campos oficializa ao Instituto Butantan interesse em 1 milhão de doses da vacina

 

Quantidade

Perguntado sobre expectativa de distribuição de vacinas, nos dois primeiros lotes, André Longo falou sobre a indefinição da quantidade de vacinas que serão enviadas a Pernambuco. O país tem disponíveis, em um primeiro momento, 6 milhões de doses da Coronavac e 2 milhões de doses da Astrazeneca.

"Primeiro, a gente precisa ter uma definição de qual vacina vem para Pernambuco (...) Se trabalha com a expectativa de ter 6 milhões de Coronavac e 2 milhões de Astrazeneca. (...) A gente tem a expectativa de que, até o final da semana, teremos informação de qual das vacinas vem para Pernambuco (...) A distribuição é um pouco desigual, por conta que alguns estados têm mais idosos acima de 65 anos, do que outros. Mas a gente precisa estar preparado para receber cerca de 4,5% dessas 8 milhões de doses da vacina disponíveis no Brasil, o que dá em torno de 350 mil doses, neste primeiro momento", explicou.

 

>> Covid-19: "Nós não temos dúvidas de que a segunda onda deverá se materializar", diz pesquisadora da Fiocruz

>> Mais de 195 mil pessoas já morreram por conta da covid-19 no Brasil

>> Covid-19: Pior cepa possível é a má gestão da epidemia, diz epidemiologista da Fiocruz sobre Bolsonaro

 

Grupos prioritários

Sobre os grupos prioritários, André Longo disse que o mais provável é que sejam seguidas as diretrizes do Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde. "75% das pessoas que morrem têm mais de 60 anos, então a gente precisa proteger, inicialmente, esse grupo. A mortalidade entre pessoas acima de 70, 80 anos, é altíssima", justificou.

Eficácia da vacina

Perguntado sobre a eficácia de vacinas contra a covid-19, que vem sendo questionada pelo presidente, Jair Bolsonaro, filhos dele e aliados, André longo disparou: "Quem fala mal das vacinas presta um desserviço ao Brasil e à saúde pública".

Quem já teve covid-19?

Sobre a necessidade de vacinar as pessoas que já contraíram a doença e, teoricamente, estão imunizadas, André Longo respondeu que há estudos comprovando que a imunidade não é duradoura e não se sabe a duração dessa imunidade. A vacinação, segundo o secretário, garantirá uma maior proteção.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.