Memórias de Ouro do Escrete

"Olhava para ele com um misto de companheiro de trabalho e fã", diz Aroldo Costa sobre Adilson Couto

Antes de ser narrador, Aroldo Costa ouvia as narrações de Adilson Couto. Após entrar na Rádio Jornal, ele teve a oportunidade de aprender e trabalhar ao lado de quem sempre admirou

Publicado em 18/07/2021 às 10:00
Rafael Santos/Jornal do Commercio
FOTO: Rafael Santos/Jornal do Commercio
Leitura:

Quando você é fã de alguém, um dos seus maiores desejos deve ser conhecer a pessoa, correto? Agora, imagine conhecer e trabalhar com quem você tanto admira... é como tirar o bilhete dourado em uma premiação. E foi exatamente isso que aconteceu com Aroldo Costa. Quando era criança, ele passava madrugadas ouvindo rádio e cresceu acompanhando o futebol e a narração esportiva através deste veículo. Com o passar dos anos, foi se encantando ainda mais e virando fã de grandes nomes como o do saudoso Adilson Couto, que trabalhou na Rádio Jornal. O menino, que um dia foi fã deste grande narrador, teve a chance de conhecer e trabalhar com o craque anos depois. Essa e outras histórias você pode conferir no “Memórias de Ouro do Escrete”. A série está disponível nas plataformas digitais do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC), em formato de vídeo e podcast.

>> Adilson Couto: 10 anos de saudade do 'Grau 10 Internacional'

O “maior gol do mundo”, como também é conhecido Aroldo Costa, contou em entrevista que sempre sonhou em ser narrador de futebol. “Quando eu tinha 8 ou 10 anos de idade, eu já ficava com o rádio do meu pai ouvindo. Às vezes, eu ia dormir três ou quatros horas da manhã ouvindo as emissoras. O sol aparecia e eu estava lá”, disse. Ele disse ainda que admirava tanto o trabalho dos narradores que, quando ia aos campos de futebol, ao invés de assistir o jogo, ficava olhando para as cabines de transmissão. “Eu não ficava olhando pro jogo, ficava olhando para as cabines, eu ficava olhando para os narradores... eu me recordo muito disso... Eu achava bonito o cara com microfone narrando e pensava: ‘isso é que é legal, isso é que bom fazer no futebol", brinca. Anos depois, o sonho se tornou realidade e ele começou a trabalhar em uma emissora de rádio.

Veja a entrevista, em vídeo, aqui:

Aroldo Costa e Rádio Jornal

Aroldo Costa também contou como surgiu o apelido de “Maior Gol do Mundo” e de como é sua relação com a Rádio Jornal. "Eu não inventei o slogan, tenho que dar nome às pessoas. Narrar com um gol longo, claro, a culpa é minha... Mas algumas pessoas me ajudaram a fazer isso: um ouvinte pernambucano da Rádio Jornal, que vive em Israel, mandou um gol que eu narrei para uma emissora local. Eles fizeram uma enquete para saber qual locutor tinha narrado o gol mais longo naquele fim de semana e eu venci... O ouvinte (Mário) deu essa notícia para mim e para Geraldo Freire... Geraldo ouviu a história e começou a colocar na primeira página (programa da Rádio Jornal) "Ouça a narração de Aroldo Costa, O Maior Gol do Mundo" e os pernambucanos gostaram... eu não tive como fugir disso", explica.

Sobre a relação com a rádio, ele fala que sua história já se confunde com a da emissora. "Quando eu comecei, eu era ouvinte da Rádio Jornal. Na verdade, quando eu era garoto eu já ouvia a rádio jornal. Então, eu tenho uma relação com a Rádio Jornal que não é de ontem, é de muito tempo. Ou seja, uma relação afetuosa... A minha história já se confunde também com a Rádio Jornal", finaliza.

Ouça a entrevista completa aqui:

Mais Lidas