RECUPERAÇÃO

Sobrevivente de incêndio no Ninho do Urubu tem quadro de saúde estável

Jhonata Ventura é o único sobrevivente do incêndio que atingiu o Ninho do Urubu que ainda não recebeu alta

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 19/02/2019 às 16:49
 Tomaz Silva/Agência Brasil
FOTO: Tomaz Silva/Agência Brasil
Leitura:

O quadro clínico do jogador da categoria de base do futebol do Flamengo Jhonata Ventura, de 15 anos, permanece com boa evolução. Conforme o último boletim médico divulgada pelo clube, Jhonata respira sem ajuda de aparelhos e tem quadro de saúde estável.

O atleta continua usando antibióticos e fazendo fisioterapia motora e respiratória. Os curativos locais foram mantidos. De acordo com o boletim, a aceitação da dieta oral progride "de forma gradativa”.

O jogador está sob cuidados do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital Municipal Pedro II, em Santa Cruz, zona oeste do Rio.

Jhonata Ventura é um dos três sobreviventes do incêndio que atingiu, no dia 8 deste mês, o alojamento do Centro de Treinamento do Flamengo, o Ninho do Urubu, em Vargem Grande, na zona oeste do Rio. Ele teve cerca de 30% do corpo queimado.

Os outros dois sobreviventes – Cauan Emanuel e Francisco Dyogo – foram levados no dia do incêndio para o Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, também na zona oeste, mas já receberam alta.

Nota divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio informa que Jhonata já começou a andar no interior do Centro de Tratamento de Queimados, durante a fisioterapia, e que foi feito banho das lesões, além de novos curativos. “Lesões com áreas já cicatrizando, porém a maior parte ainda com ferida profunda, e melhora significativa das queimaduras em dorso e da face”, explica a nota.

Relembre o caso

No último dia 8, dez atletas morreram em um incêndio no alojamento do Centro de Treinamento George Helal do Flamengo, conhecido como Ninho do Urubu. Eram 5h17, quando o quartel do Corpo de Bombeiros recebeu a chamada de incêndio no Ninho do Urubu. Às 5h38 já estavam no local e às 6h20 todo o fogo estava controlado. No prédio dormiam os atletas da categoria sub-15.

Um dos sobreviventes, Samuel Barbosa, de 16 anos, publicou nas redes sociais que acordou com a fumaça e só teve tempo de chamar um amigo e fugir. Dez atletas morreram e outros três ficaram feridos, um em estado grave com 35% do corpo queimado.

Mais Lidas