RISCO

Leptospirose: infectologista dá orientações para evitar contaminação

Preocupação com a leptospirose costuma aumentar em dias de chuvas intensas

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 13/06/2019 às 17:05
Alexandre Gondim/ JC Imagem
FOTO: Alexandre Gondim/ JC Imagem
Leitura:

O contato com a água suja da rua em dias de chuva gera preocupação com doenças como a leptospirose. Para tirar dúvidas e dá orientações para quem molhou os pés nesta quinta-feira (13), o Rádio Livre ouviu o infectologista do Hospital Oswaldo Cruz, Felipe Prohaska.

Segundo o especialista, a falta de saneamento básico agrava a situação. “Um outro problema mais sério é a nossa falta de saneamento básico, e aí faz com que tenha maior quantidade de ratos e bactérias expostas. O contato contínuo com a água o maior risco tem sido as infecções por leptospirose, que é uma bactéria que existe na urina do rato. Quando você fica exposta a essa água, onde o rato urina, quando tem alguma lesão no pé ou quando você fica muito exposto a essa água, o risco de pegar uma leptospirose é bastante elevado”, detalhou.

Para minimizar o risco do contato com a água, o infectologista orienta. “O ideal é usar sacos plásticos amarrados na perna para tentar minimizar o contato com a água. Um outro cuidado é tirar a roupa molhada, assim que possível, principalmente os sapatos. E assim que você tiver a possibilidade se afastar desse ambiente”, disse. “É muito difícil saber se aquela água está contaminada ou não”, completou.

Água invadindo a casa

Caso a água tenha invadido a casa, Prohaska faz o alerta. “É muito difícil você saber se aquela água está contaminada ou não, você foi pego de surpresa (...) As águas que invadiram, como são correntes, e são retiradas de imediato, a preocupação é menor, no caso da leptospirose. Mas esse contato com água de rua é muito fácil para proliferar infecções bacterianas, como salmonela, que dão muita diarreia. [O aconselhável] É lavar o chão com água sanitária e lavagem com água e sabão das mãos para não contaminar por via oral. O que aumenta o risco é o contato prolongado com a água e com mucosa”, destacou.

Mais Lidas