SÃO PAULO

Após bater em carro e matar bebê, bombeiro que dirigia bêbado é solto


O bebê de apenas 9 dias estava no colo da mãe, dentro de um carro estacionado, quando o veículo foi atingido pelo bombeiro que dirigia embriagado

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 02/01/2020 às 17:49
Arquivo pessoal
FOTO: Arquivo pessoal
Leitura:

Um bombeiro embriagado bateu em um carro onde uma mulher amamentava a sua filha, uma recém-nascida de apenas 9 dias de vida, na madrugada de quarta-feira (1º) e matou o bebê. O caso aconteceu em Itatiba, na Região Metropolitana de São Paulo. Robson Fabiano Gabriel, de 47 anos, foi solto após pagar fiança de R$ 4 mil.

Viviane Sodré da Silva estava no colo da mãe, Gerlaine Sodré de Jesus, e na forte batida bateu a cabeça no vidro do carro. A recém-nascida chegou a ser socorrida e passou por cirurgia, mas não resistiu.

A mãe da bebê contou que saiu de casa por causa do barulho dos fogos de artifício do Ano Novo e entrou no carro estacionado na rua com a recém-nascida e a outra filha, de 3 anos, que ficou ferida na testa, mas sem gravidade.

Sinais de embriaguez

Segundo o boletim de ocorrência, os policiais constataram que o bombeiro Robson Fabiano Gabriel apresentava sinais visíveis de embriaguez. Ele foi preso em flagrante por dirigir embriagado e foi solto após audiência de custódia.

A decisão do juiz foi baseada na lesão corporal culposa (quando não há intenção de cometer o crime) na direção de veículo automotor e embriaguez ao volante. Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, "não havia nos autos informação sobre o óbito da vítima ou informação médica sobre seu estado de saúde".

Inicialmente a ocorrência foi registrada como lesão corporal porque a bebê morreu horas depois da batida, no hospital. No entanto, o delegado responsável pelo caso informou que tem 30 dias para concluir o inquérito que vai apontar o homicídio. Só então o bombeiro será investigado por homicídio culposo.


Mais Lidas