Diante das fortes chuvas, presidente da Amupe analisa situação do Sertão

José Patriota afirmou que medidas estão sendo tomadas para recuperar os danos causados pelas chuvas em Afogados da Ingazeira

SERTÃO DO PAJEÚ
Diante das fortes chuvas, presidente da Amupe analisa situação do Sertão

As chuvas castigaram o município de Afogados da Ingazeira, onde duas pontes cederam e a cidade ficou olhada na quarta-feira (25) - Foto: Serra Informática

Nos últimos dias, as fortes chuvas têm causado graves transtornos no Sertão de Pernambuco. Em entrevista ao Passando a Limpo desta quinta-feira (26), o presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) e prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota (PSB), comentou a situação do município duramente atingido com duas pontes derrubadas pela força das águas.

"Como bom sertanejo, quando a gente vê a chuva, ficamos alegre. Mas quando ela vem além da conta, como estamos passando aqui, é uma agonia também. Estamos sofrendo porque ainda temos famílias desalojadas, muitos prejuízos que estão sendo contabilizados. Isso não é coisa fácil. Se a gente não tivesse feito um plano de contingenciamento, teria sido muito complicado”, disse.

Patriota explicou o que foi feito para consertar a ponte da PE-292 e a do sistema viário, que cedeu e deixou o município ilhado na manhã de quarta-feira (25). “Fizemos serviços emergenciais e liberamos meia pista do anel viário porque ficamos a manhã toda sem integração, sem ter como se deslocar, sem entrar na cidade chegando por Iguaraci. Restabelecemos o anel viário e ontem a noite chegou os representantes das empresas que vão fazer a recuperação da PE-292”, detalhou.

Segundo o prefeito, os maiores danos que atingiram diretamente as pessoas foram registrados em Afogados da Ingazeira e Serra Talhada, por causa da inundação urbana. Já os estragos na Zona Rural foi registrado em toda região do Sertão do Pajeú.

Coronavírus

Em meio ao avanço do coronavírus em Pernambuco, o presidente da Amupe defendeu o cancelamento das festividades juninas. De acordo com Patriota, a realidade impõe medidas sensatas e equilibradas. “Não vejo possibilidade de fazer festas no mês de junho. Muitos eventos de grande porte estão naturalmente cancelados. Alguns ainda estão suspendendo e vendo possibilidade de marcar em outro momento. Quem tiver condições e estrutura para fazer depois, vamos respeitar essa iniciativa. O importante agora é recompor e reconstruir para retomar a atividade econômica assim que terminar essa fase do vírus", concluiu.