Problema

Venezuelanos refugiados no Recife relatam falta de doações na pandemia


Sem doações, eles sofrem com falta de comida e higiene

Priscila Miranda
Priscila Miranda
Publicado em 21/04/2020 às 19:03
Alex Oliveira/TV Jornal
FOTO: Alex Oliveira/TV Jornal
Leitura:

São mais de 50 pessoas que agora enfrentam uma realidade ainda mais difícil. Por causa da pandemia do novo coronavírus, os venezuelanos que moram no Recife há cerca de sete meses viram as doações simplesmente desaparecerem.

Eles acreditam que os integrantes dos grupos sociais estão com medo de vir por conta do covid-19. Sem a entrega de cestas básicas, os venezuelanos afirmam que já encontram dificuldade para conseguir fazer as refeições. Só no Bairro da Boa Vista, no Centro, existem pelo menos dois imóveis que servem de abrigo para os refugiados. Em um deles moram 28 pessoas, incluindo adultos e crianças.

Leia também: Defensoria Pública do Estado cobra medidas da Prefeitura sobre a situação dos venezuelanos

“Não estão trazendo doações aqui. Estamos comendo arroz todos os dias e nada mais, porque não temos como sair à rua e pedir dinheiro para comprar. Não temos dinheiro para comprar coisas de limpeza. Tudo está sujo”, diz o venezuelano Jhoni Mata.

Se já não bastasse a fome, as famílias que vieram da Venezuela de ônibus ainda temem a contaminação. Elas vivem aglomeradas em cômodos pequenos e sem condições adequadas de higiene. Uma água escura é a única que os refugiados contam para conseguir lavar as mãos. “Somos cinco famílias. O coronavírus que anda por aí pode pegar em uma criança e pode também pegar em todos aqui”, afirmou o autônomo Antônio Guanda.

Confira a reportagem de Michael Carvalho:


Mais Lidas