POLÍTICA

Bolsonaro diz que Moro tem compromisso com "seu ego" e rebate ex-ministro


Sergio Moro anunciou sua demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública nesta sexta-feira (24)

Atualizado às 18h14
Atualizado às 18h14
Publicado em 24/04/2020 às 17:52
Carolina Antunes/Presidência da República
FOTO: Carolina Antunes/Presidência da República
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro concedeu uma entrevista coletiva, no final da tarde desta sexta-feira (24), em resposta ao anúncio de saída do agora ex-ministro Sergio Moro, que deixou o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Bolsonaro disse que ficou decepcionado e surpreso com o comportamento do ex-juiz, que fez o anúncio de sua saída em uma entrevista coletiva.

"Estou decepcionado e surpreso com o seu comportamento. Não se indignou a me procurar e preferiu uma coletiva de imprensa para comunicar a sua decisão. Meu compromisso é com a verdade, sem distorções", afirmou.

Jair Bolsonaro insinuou que Sergio Moro tem “compromisso com seu ego e não com o Brasil” e disse que o ex-ministro tentou colocou uma “cunha” entre o presidente e o povo brasileiro.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, entregou o cargo nesta sexta-feira (24) após a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo, ser publicada no Diário Oficial da União nesta madrugada.

Segundo o presidente Jair Bolsonaro, Moro, pediu para ser indicado a uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) antes que Maurício Valeixo fosse exonerado da direção da Polícia Federal. De acordo com Bolsonaro, Moro afirmou o seguinte: "Você pode trocar o Valeixo, mas em novembro, quando me indicar para o Supremo Tribunal Federal".

Pelo Twitter, Moro rebateu a afirmação de Bolsonaro minutos após o fim do pronunciamento do presidente. "A permanência do Diretor Geral da PF, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF", publicou.

 

Interferência em investigações

Ao anunciar a saída do cargo, Moro acusou o presidente de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência. "O presidente me disse que queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência. A interferência política pode levar a relações impróprias entre o diretor da PF e o presidente da República. Não posso concordar", disse Moro, ao comentar as pressões de Bolsonaro para a troca no comando da PF.

Bolsonaro negou. "Não são verdadeiras as insinuações de que eu desejaria saber sobre investigações em andamento", garantiu.

Veja abaixo o pronunciamento completo


Mais Lidas