CASO MIGUEL

Patroa da mãe de Miguel deve prestar novo depoimento à polícia


Uma nova perícia foi realizada no local onde Miguel Otávio, de 5 anos, morreu no dia 2 de junho

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 08/06/2020 às 14:56
Reprodução/ Redes Sociais
FOTO: Reprodução/ Redes Sociais
Leitura:

O Instituto de Criminalística (IC) realizou uma nova perícia no condomínio de luxo Píer Maurício de Nassau, conhecido como Torre Gêmeas, localizado no bairro de São José, na área central do Recife, onde o menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, faleceu no dia 2 de junho. A equipe chegou por volta das 9h e foi direto para o estacionamento do prédio. Essa foi a terceira perícia realizada pelo IC no local. As investigações, que estão sob responsabilidade do delegado Ramón Teixeira, devem ser concluídas até quinta-feira (11).

Segundo o perito que investiga o caso, a equipe formada por engenheiros civil e mecânico, além de um desenhista, precisou do trabalho para verificar o tempo que Miguel levou para sair do elevador de serviço no 5º andar e chegar até o 9º andar, onde ele caiu. A mãe de Miguel, Mirtes Renata da Silva, trabalhava em um dos apartamentos.

Também segundo o perito, a investigação será pela escada do prédio local, onde não há câmera de segurança. Essa nova perícia foi solicitada após análise das câmeras de segurança onde mostram o menino com a patroa de sua mãe, Sari Mariana Côrte Real, entrando e saindo do elevador. Ela foi indiciada por homicídio culposo, pagou fiança de R$ 20 mil e foi liberada.

Por meio de uma carta, ela pediu desculpas a mãe de Miguel. A expectativa agora é que Sari explique porque deixou a criança sozinha no elevador. Segundo o advogado dela, Pedro Avelino, uma petição será solicitada e a dona do apartamento deve prestar um novo depoimento. “Não há data ainda. A gente aguarda as instruções do delegado Ramón Teixeira, que conduz as investigações”, disse.

Vídeo mostra criança sozinha no elevador

A criança caiu do 9º andar do prédio, de acordo com a perícia
A criança caiu do 9º andar do prédio, de acordo com a perícia
Cortesia

No vídeo, registrado às 13h08 do dia 2 de junho, a dona do apartamento aparece segurando a porta do elevador e conversando com o menino. Em seguida, depois de algum tempo de conversa, Miguel sai do equipamento. Dois minutos depois, ele volta sozinho, entra novamente no elevador e Sari vai atrás. É neste momento que ela aperta o último botão onde fica a cobertura, a porta fecha e Miguel aciona outros andares. Antes de parar no nono andar, o elevador parou no sétimo andar.

Mirtes estava passeando com o cachorro de Sari e deixou seu filho sob os cuidados da patroa, que estava fazendo as unhas.

Relembre o caso

O fato aconteceu na tarde da última terça-feira (2), quando Mirtes deixou o filho sob a responsabilidade da patroa e desceu para passear na rua com o cachorro da família. A esposa do gestor, Sarí Corte Real, foi presa em flagrante e liberada, após pagamento de fiança no valor de R$20 mil, por ter deixado Miguel sozinho dentro do elevador do prédio. Ao sair do equipamento, a criança, procurando pela mãe, acessou o vão dos condensadores de ar-condicionado, subiu no guarda-peito e caiu de uma altura de 35 metros.

De acordo com a polícia, as imagens das câmeras de segurança foram a principal prova da "negligência" da mulher, como a polícia definiu. Os detalhes das etapas iniciais da investigação foram detalhados em videocoletiva de imprensa com o delegado que está à frente do caso, Ramón Teixeira, titular da Delegacia Seccional de Santo Amaro.

Testemunhas relataram que o menino estava procurando a mãe. Segundo a mãe de Miguel, o acidente foi muito rápido e aconteceu no momento em que ela havia decido o prédio para passear o cachorro dos patrões. A mulher também afirmou que tinha deixado o filho no apartamento com a dona da casa e uma manicure.


Mais Lidas