Em resposta à carta de patroa, mãe de Miguel diz que é "desumano" cobrar perdão neste momento

Miguel Otávio, de 5 anos, faleceu no dia 2 de junho, após cair de uma altura de 35 metros quando estava sob os cuidados da patroa de Mirtes Renata

CASO MIGUEL
Em resposta à carta de patroa, mãe de Miguel diz que é

De acordo com a perícia, quando caiu do 9º andar, Miguel estaria procurando pela mãe - Foto: Cortesia

Atualizada às 14h32

Em resposta à carta enviada por Sarí Corte Real, Mirtes Renata, mãe do menino Miguel Otávio, de 5 anos, disse que o documento enviado por sua patroa, na verdade, foi direcionado à imprensa e não a ela e disse que "após poucos dias é desumano cobrar perdão de uma mãe que perdeu o filho dessa forma tão desprezível". Miguel morreu no dia 2 de junho. A carta de Mirtes foi escrita com auxílio de um advogado constituído e foi apresentada nesta quarta-feira (10). 

O caso, que aconteceu no Condomínio Píer Maurício de Nassau, conhecido como "Torres Gêmeas", no bairro de São José, área central do Recife. A morte trágica de Miguel ganhou repercussão nacional e, na sexta-feira (5), Sarí encaminhou uma carta à imprensa pedindo pedindo perdão e dizendo que estava sendo atacada "pela opinião pública". A empregadora de Mirtes Renata ainda acrescentou que tem "certeza que a Justiça esclarecerá a verdade". 

Leia abaixo a carta completa

SOBRE O PERDÃO PEDIDO POR SARI

Eu não recebi qualquer pedido de desculpas. A carta de perdão foi dirigida à imprensa, o que me faz pensar que eu não era destinatária, mas sim a opinião pública com a qual ela se preocupa por mera vaidade e por ser esse um ano de eleição. 

Eu não tenho rancor. Tenho saudade do meu filho. O sentido da vida de quem e mãe passa pelo cheiro do cabelo do filho ao acordar, pelo sorriso nas suas brincadeiras, pelo “mamãe” quando precisa do colo e do abrigo de quem o trouxe ao mundo. Uma mãe, sem seu filho, sofre uma crise, não apenas de identidade, como também de existência. Quem sou eu sem Miguel? Ela tirou
de mim o meu neguinho, minha vida, por quem eu trabalhava e acordava todos os dias.

Quando eu grito que quero justiça, isso significa que eu preciso que alguém assuma a minha dor, lute minha luta, seja o destilado da cólera que eu não quero e nem posso ser. Eu não tenho forças neste momento, não tenho chão. Não tenho vida!

Após poucos dias é desumano cobrar perdão de uma mãe que perdeu o filho dessa forma tão desprezível. Afinal, sabemos que ela não trataria assim o filho de uma amiga. Ela agiu assim com o meu filho, como se ele tivesse menos valor, como se ele pudesse sofrer qualquer tipo de violência por ser “filho da empregada”.

Perdoar pressupõe punição; do contrário, não há perdão, senão condescendência. A aplicação de uma pena será libertadora, abrandará o meu sofrimento, permitirá o meu recomeço e abrirá espaço para o que foi pedido: perdão. Antes disso, perdoar seria matar o Miguel novamente.

Mirtes, mãe de Miguel
(carta escrita com auxílio do advogado constituído)

Relembre o caso

Lembranças de Miguel seguem viva para quem convivia com a criança
Lembranças de Miguel seguem viva para quem convivia com a criança
Cortesia e Juliana Oliveira/TV Jornal

No dia 2 de junho, uma terça-feira, Mirtes Renata, que trabalhava como empregada doméstica na casa de Sarí Corte Real, deixou seu filho, Miguel Otávio, de 5 anos, sob a responsabilidade da patroa e desceu para passear com o cachorro da família. No entanto, após negligência da empregadora, a criança caiu de uma altura de 35 metros. O menino estava procurando pela mãe no momento do crime. 

Imagens do circuito interno de segurança do prédio onde a criança caiu mostraram o momento em que o menino foi deixado sozinho no elevador. Em um vídeo, registrado às 13h08, a dona do apartamento aparece segurando a porta do elevador e conversando com o menino. Em seguida, depois de algum tempo de conversa, Miguel sai do equipamento. Dois minutos depois, ele volta sozinho, entra novamente no elevador e Sarí vai atrás. É neste momento que ela aperta o último botão onde fica a cobertura, a porta fecha e Miguel aciona outros andares. Antes de parar no nono andar, o elevador parou no sétimo andar.  

Mirtes contou ainda que Sarí estava fazendo as unhas com uma manicure no momento em que Miguel caiu. 

Sarí Corte Real é espora do prefeito de Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco, Sérgio Hacker. Ela foi presa em flagrante por homicídio culposo e liberada, após pagamento de fiança no valor de R$20 mil. 

De acordo com a polícia, as imagens das câmeras de segurança foram a principal prova da "negligência" da mulher, como a polícia definiu. As investigações do caso estão com o delegado Ramón Teixeira, titular da Delegacia Seccional de Santo Amaro.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.