"Imoral e indigno", diz José Eduardo Cardozo sobre modo como Weintraub entrou nos EUA

Jurista afirmou que Weintraub entrar no país americano usando passaporte diplomático mesmo após a demissão pode configurar improbidade para Bolsonaro

ENTREVISTA

Ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo - Foto: José Cruz/Agência Brasil

Lourenço Gadêlha

Em entrevista ao Passando a Limpo desta terça-feira (23), o ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff (PT), José Eduardo Cardozo, criticou a maneira como o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub entrou nos Estados Unidos, se aproveitando do passaporte diplomático ao qual tinha direito para sair às pressas do Brasil. O documento perdeu a validade menos de 24h depois, quando a exoneração foi publicada no Diário Oficial da União. A ação é vista como parte dos interesses do Palácio do Planalto em retirá-lo dos holofotes do país, já que Weintraub responde à dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). Na visão do jurista, ainda não é possível afirmar se houve crime, mas o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode ter cometido improbidade administrativa.

"O governo norte-americano estabeleceu uma série de regras para que os brasileiros entrem no país, abrindo exceção apenas para autoridades em exercício da função. É evidente que houve um acordo de Weintraub e Bolsonaro para que a exoneração ocorresse depois que ele estivesse no país, para não se submeter à quarentena. Então, houve uma armação para ele entrar como ministro e logo após pisar em solo americano, ser exonerado. Isso é imoral e indigno, e configura improbidade, porque viola os princípios da administração pública e o dever ético do presidente. Não posso afirmar que resvale no campo criminal, mas no crime de responsabilidade não tenho a menor dúvida", afirmou.

Além deste episódio, Cardozo ainda garantiu haver inúmeros elementos jurídicos para a abertura de um processo de impeachment contra o presidente Bolsonaro. “A partir do momento em que o presidente a começa a participar de atos antidemocráticos e confraterniza com pessoas que querem a extinção do STF e do Congresso, quando quer assumir o comando da Polícia Federal, para que seus amigos não sejam investigados e seus inimigos sejam, quando coloca a sociedade em risco destoando dos padrões científicos no combate à covid-19, aí comecei a ver vários elementos que configuram crime de responsabilidade. Então, hoje, há mais peças que tabuleiro, porque a quantidade de situações é muito grande”, considerou.

>> Bolsonaro participa de ato com apoiadores em Brasília

>> O presidente não é imperador, diz Gilmar Mendes sobre Bolsonaro

>> Processo com acusações de Moro contra Bolsonaro será redistribuído no STF, diz ministro Marco Aurélio

>> Não é possível que o mundo está errado e só o Osmar Terra e o Bolsonaro estão certos, diz Alckmin

De acordo com Cardozo, apesar de vários pedidos de impeachment terem sido protocolados, cabe ao presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), uma avaliação política para o seguir com o impedimento.  “Ele (Rodrigo Maia) não pode dizer que não tem pressupostos jurídicos para a abertura do processo de impeachment, mas ele precisa fazer uma análise política dentro das suas convicções. A legislação que disciplina o processo de impeachment deixa um arbítrio muito grande na mão do presidente do Poder Legislativo, nessa perspectiva, cabe a ele a conveniência política de abertura do processo nos termos daquilo que a legislação consagra”, explicou.

>> Apesar de argumentos concretos, jurista avalia que faltam condições políticas para o impeachment de Bolsonaro

Operação Lava Jato e Sergio Moro

O jurista também criticou a maneira espetaculosa como a Operação Lava Jato era conduzida, principalmente sob o comando do ex-juiz Sergio Moro. “Não acho que esse tipo de situação quando atinge os adversários merecem ser aplaudidos e quando atinge os aliados, devem ser vaiados. Isso deve ser evitado porque situações espetaculosas não devem ocorrer. Não se pode ter operação policial acompanhada pela imprensa. Eu vi e recriminei, por exemplo, no caso daquela prisão do ex-presidente Michel Temer. Acho isso inaceitável, mas é uma postura pessoal de compreensão do Estado de Direito”, disse. 

A conduta do ex-juiz Sergio Moro à frente da Operação Lava Jato, muitas vezes tida como arbitrária, foi apontada por Cardozo como “um exemplo a ser evitado na atuação de um juiz”.  

“Não se combate corrupção prendendo-se pessoas arbitrariamente para fazer delações premiadas, condenando-se pessoas com convicções sem provas, negando-se atuação de advogados, privilegiando-se uma das partes que é o Ministério Público como todo o conjunto de conversas do The Intercept mostrou. Me parece muito claro que deve-se olhar caso a caso muito dos processos que ele (Moro) atuou. A conduta de Sergio Moro foi absolutamente questionável, não por sua postura de combater a corrupção, mas do modo em que ele combateu. No Estado de Direito, os fins não justificam os meios e como tal, a sua postura deve ser analisada sim e ficará escrita na história mostrando um papel que um juiz não deve ter", finalizou.

Ouça a entrevista na íntegra: 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.