Estudantes recifenses são únicas brasileiras em edição de Jovens Promessas Menores de 30 anos

As estudantes Vitórya Rebeca e Ana Grazielly desenvolveram uma bengala robótica com sensores para deficientes visuais

EDUCAÇÃO
Estudantes recifenses são únicas brasileiras em edição de Jovens Promessas Menores de 30 anos

As estudantes Vitórya Rebeca Edyvam Cavalcanti Lima e Ana Grazielly da Silva desenvolveram uma bengala robótica com sensores para deficientes visuais - Foto: Andrea Rego Barros/ PCR

Duas recifenses foram as únicas brasileiras selecionadas para fazerem parte da 2ª edição Internacional de Jovens Promessas Menores de 30 de anos, por suas contribuições e paixão pela pesquisa científica. A escolha foi anunciada pelo Colégio de Pós-graduação em Administração do México no início do mês de forma virtual.

As estudantes Vitórya Rebeca Edyvam Cavalcanti Lima e Ana Grazielly da Silva desenvolveram o Projeto Tecnologias Assistivas e Robótica Educacional: Um Olhar Especial sobre a Cidade, que resultou na criação de uma bengala robótica com sensores para deficientes visuais. O equipamento emite vibrações quando está diante de algum obstáculo, dando maior segurança na locomoção do usuário.

Na época da criação do projeto, as alunas da Escola Municipal do Recife Olindina Monteiro, em Dois Unidos, Zona Norte do Recife, o apresentaram e obtiveram o 1º lugar na Feira de Conhecimento da Rede Municipal de Ensino do Recife em 2017, sendo credenciadas para o Encontro de Ciência, Tecnologia e Inovação, do México, em 2018, e lá obtendo o 3º lugar.

Atualmente, só Vitórya Rebeca é ainda aluna da unidade, onde cursa o 9º Ano do Ensino Fundamental, enquanto Ana Grazielly está no Ensino Médio. Para Vitórya, de 15 anos, esse reconhecimento é bem importante pois incentiva os alunos a prosseguirem nos estudos.

O professor Edson Gomes é o orientador das estudantes e diz que não existe uma ideia boba em ciências e desenvolvimento de pesquisa. “Às vezes algo simples levantado pelo aluno pode resultar num avanço para a sociedade. Ele prega uma máxima junto aos seus alunos: “quando a ciência não é usada para o bem da sociedade, deixa de ser ciência”.

Reconhecimento internacional 

O Colégio de Pós-Graduação em Administração justifica o reconhecimento internacional dizendo que a entidade busca reconhecer e encorajar aqueles que têm a chama da Ciência que já vive dentro deles e a ajudá-los a lembrar que o que fazem é importante. Num futuro próximo esses jovens serão fatores de mudança como foram Marie Curie, pioneira no ramo da radioatividade e única pessoa no mundo a ganhar o Prêmio Nobel duas vezes, Darwin e tantos outros.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.